PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Vacina da Moderna não ficará pronta antes das eleições americanas

30/09/2020 20h54

Washington, 30 Set 2020 (AFP) - A empresa americana Moderna anunciou nesta quarta-feira que os testes clínicos de sua vacina experimental contra a covid-19, uma das mais avançadas, não serão concluídos antes de 25 de novembro, excluindo qualquer comercialização da mesma antes das eleições presidenciais nos Estados Unidos.

"Teremos dados suficientes sobre a segurança (da vacina) em 25 de novembro para podermos solicitar uma aprovação emergencial da Agência Federal de Medicamentos, desde que os dados de segurança sejam positivos", disse Stéphane Bancel, CEO da Moderna, em conferência organizada pelo jornal "Financial Times".

A Moderna, juntamente com as empresas farmacêuticas americanas Pfizer e Johnson & Johnson, está na fase 3 dos testes clínicos, na qual a vacina experimental ou um placebo são injetados aleatoriamente em dezenas de milhares de voluntários para verificar se a vacina é segura e eficaz. Os testes da fase 3 da vacina AstraZeneca / Oxford estão atualmente suspensos no país.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, candidato a um segundo mandato, expressou repetidamente o desejo de obter uma vacina antes das eleições de 3 de novembro, o que suscitou preocupação em especialistas em saúde pública sobre uma possível pressão política no processo de regulamentação.

Apenas um laboratório, Pfizer, espera resultados até o final de outubro, poucos dias antes da votação, o que permitiria à empresa buscar imediatamente a aprovação da Agência Federal de Medicamentos.

Este protocolo de testes fornece uma análise provisória dos dados em um estágio relativamente inicial em comparação com os outros. Mas cientistas e especialistas em ensaios clínicos alertam para os riscos de uma aprovação muito rápida, pois consideram mais pertinente testar a vacina por mais alguns meses, para ter certeza de sua eficácia e possíveis efeitos colaterais, especialmente porque a vacina seria aplicada em centenas de milhões de pessoas.

ico/leo/yo/gma/jc/lb

Notícias