PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Alemã acusada de liderar seita é condenada à prisão perpétua por crime há 30 anos

Mulher foi declarada culpada por ter matado um menino de 4 anos em um saco de pano em agosto de 1988 - Bill Oxford/Getty Images
Mulher foi declarada culpada por ter matado um menino de 4 anos em um saco de pano em agosto de 1988 Imagem: Bill Oxford/Getty Images

Em Berlim (Alemanha)

24/09/2020 13h24

A Justiça alemã condenou à prisão perpétua hoje uma mulher de 73 anos, suposta líder de uma seita, depois de um julgamento incomum sobre o assassinato de um menino há mais de 30 anos.

A mulher, cujo nome não foi divulgado, foi declarada culpada por ter colocado o menino, de 4 anos, em um saco de pano e abandonado no banheiro, em agosto de 1988, quando as temperaturas estavam acima de 30 graus.

O menino perdeu a consciência antes de morrer, afogando-se em seus próprios vômitos, depois de "uma luta implacável contra a morte", declarou um porta-voz do tribunal à AFP.

Por muito tempo, sua morte foi considerada um acidente. Em 2015, porém, a Justiça reabriu o caso, graças a depoimentos de ex-membros desta seita.

Segundo a Promotoria, a mulher agiu desta maneira para fortalecer sua posição dominante na comunidade. Segundo ela, o menino estava "possuído pelo mal".

Vários depoimentos neste julgamento que durou um ano apontaram que a mulher liderava esta comunidade com pulso firme e maltratava a vítima e outras crianças.

A acusada recebeu, no entanto, o apoio da mãe do menino, que afirmou que a mulher, uma ex-enfermeira, cuidava com doçura das crianças.

"É uma irmã para mim e uma boa amiga", disse a mãe durante as audiências.

Notícias