Topo

Novo chefe das Forças Armadas do Equador diz que não permitirá novos protestos

12/11/2019 19h44

QUITO (Reuters) - O novo comandante das Forças Armadas do Equador, Luis Lara, disse nesta terça-feira que não permitirá a repetição de "motins" que afetem a paz e a segurança, um mês após violentos protestos contra medidas de austeridade do governo que abalaram o país andino.

O presidente Lenín Moreno desistiu em meados de outubro de eliminar um subsídio ao combustível para encerrar um dos piores protestos da última década no país, em meio a saques, ataques a bens públicos e privados e retenção de policiais pelos manifestantes.

O governo disse que, por trás dos distúrbios, que ocorreram no início de outubro por quase duas semanas, estavam envolvidos grupos violentos, sem dar mais detalhes.

"Que os violentos não se enganem, que não confundam os grupos criminosos..., que não esqueçam os corruptos. Nossas Forças Armadas... não permitirão que se repitam motins que atentem contra a paz do Equador e a segurança de seus cidadãos", disse Lara depois de assumir o comando das Forças Armadas do país.

"Não podemos ignorar esta demonstração de força de grupos internos e transnacionais que desejam impor um modelo que atenta contra os princípios democráticos básicos, viola a Constituição e coloca em risco a coexistência social", acrescentou ele durante uma cerimônia militar com a participação de Moreno.

Em outubro, Moreno e o movimento indígena concordaram em iniciar um diálogo para definir mecanismos para focalizar subsídios em gasolina extra e diesel.

Mas os indígenas e outros setores sociais têm questionado as propostas econômicas do governo e propuseram medidas alternativas.

O presidente disse que espera concluir a rodada de diálogos para anunciar um mecanismo para racionalizar os subsídios, depois de anunciar medidas para apoiar o desenvolvimento do setor rural.

(Reportagem de Alexandra Valencia)

Notícias