Topo

Partidos de esquerda rejeitam reunião com Piñera por crise no Chile

22/10/2019 15h51

Santiago, 22 Out 2019 (AFP) - O partido Socialista, o maior da oposição, não participará nesta terça-feira (22) da reunião convocada pelo presidente Sebastián Piñera para buscar um acordo que permita enfrentar a eclosão social no Chile, que deixou 15 mortos.

Após quatro dias de protestos em massa, saques e incêndios, o presidente anunciou a busca de um "acordo social que nos permita, todos unidos, nos aproximarmos com rapidez, eficácia e também com responsabilidade das melhores soluções para os problemas que atingem os chilenos".

No poder durante três períodos após o retorno do Chile à democracia, em 1990, o Partido Socialista não comparecerá à reunião convocada no palácio presidencial de La Moneda.

"Nós acreditamos que o diálogo é indispensável e urgente, mas deve ser um diálogo aberto, e nós acreditamos que a convocação do presidente não cumpre essas condições", afirmou o chefe da bancada do PS, Manuel Monsalve.

Vários partidos da Frente Ampla, da esquerda radical, que entrou pela primeira vez no Congresso durante a última eleição (2017), também se afastaram da convocatória de Piñera.

O Partido Comunista também não comparecerá, argumentando que foram convidados em cima da hora.

O Democracia Cristã, o Partido Radical e o Partido Pela Democracia confirmaram sua participação no encontro.

A porta-vez governo, Cecilia Pérez, lamentou a decisão dos partidos opositores que rejeitaram o convite: "é lamentável, porque hoje nosso país requer que estejamos todos juntos".

pa/gfe/yow/cc/tt

Notícias