Topo

Presidente turco considera "positiva" a saída de americanos da Síria

14/10/2019 07h00

Istambul, 14 Out 2019 (AFP) - O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, celebrou nesta segunda-feira o anúncio de domingo do Pentágono sobre a retirada de até 1.000 soldados americanos do norte da Síria, onde Ancara iniciou uma ofensiva contra uma milícia curda.

"É um enfoque positivo", declarou Erdogan, durante uma entrevista coletiva em Istambul, ao ser questionado sobre o anúncio feito no domingo pelo diretor do Pentágono, Mark Esper.

A Turquia iniciou na semana passada uma operação no nordeste da Síria contra a milícia curda das Unidades de Proteção Popular (YPG), apoiada pelos países ocidentais por seu papel na luta contra o grupo extremista Estado Islâmico (EI), mas que é considerada uma organização "terrorista" por Ancara.

Após o anúncio de domingo sobre a retirada dos militares americanos, as YPG alcançaram um acordo com o regime sírio que, segundo as autoridades curdas, prevê a mobilização do exército de Damasco no norte da Síria.

O jornal Al Watan, próximo ao governo sírio, afirmou que o acordo estabelece "a entrada do exército sírio nas cidades de Manbij e de Ain al Arab (nome árabe de Kobane)", na região norte da Síria e que poderiam entrar no alvo da Turquia.

Ancara exige há vários meses a retirada das forças curdas de Manbij, o que o presidente Erdogan reiterou nesta segunda-feira.

"Quando Manbij estiver vazio, não somos nós, Turquia, que iremos para lá. São nossos irmãos árabes, que são os verdadeiros proprietários (...) Nosso enfoque é garantir que retornem e garantis sua segurança", disse Erdogan.

"Nossa decisão foi tomada sobre Manbij, agora estamos na fase de aplicação", completou.

O chefe de Estado também elogiou a "visão positiva" da Rússia, dando a entender que não espera que Moscou, aliado do regime de Damasco, manifeste oposição a um ataque das forças turcas em Kobane.

"No que diz respeito a Kobane, nesta etapa, parece que não haverá nenhum problema, graças à visão positiva da Rússia ", disse Erdogan.

gkg/ezz/me/es/fp

Notícias