Topo

Irã anuncia que deteve petroleiro britânico no Estreito de Ormuz

19/07/2019 16h07

Teerã, 19 jul (EFE).- A Guarda Revolucionária do Irã anunciou nesta sexta-feira que capturou um petroleiro britânico por violar a lei marítima internacional quando cruzava o Estreito de Ormuz, duas semanas depois que o Reino Unido reteve um petroleiro iraniano em Gibraltar.

O navio, chamado Stena Impero, foi detido por uma flotilha dependente da região 1 da marinha a pedido da Organização de Portos e Assuntos Marítimos da província iraniana de Hormozgan, informou a Guarda Revolucionária em comunicado.

O fato acontece no mesmo dia em que a Suprema Corte de Gibraltar ampliou por mais 30 dias o período de detenção do petroleiro iraniano Grace 1, retido há duas semanas no território ultramarino britânico.

O Grace 1 foi interceptado e abordado perto da costa pelas suspeitas de que estaria transportando petróleo para uma refinaria da Síria, país que vive um conflito armado há oito anos e foi alvo de sanções da União Europeia.

A retenção em Gibraltar gerou um conflito diplomático entre o Irã e o Reino Unido e, na semana passada, segundo Londres, uma fragata da marinha britânica abortou uma tentativa iraniana de interceptar um petroleiro britânico que navegava pelo Golfo Pérsico.

Esse incidente foi desmentido pelas forças armadas iranianas que, no entanto, asseguraram que não deixariam sem resposta a retenção do Grace 1.

O próprio líder supremo do Irã, Ali Khamenei, classificou na terça-feira a ação em Gibraltar de "ato de pirataria marítima" e advertiu que seu país responderia "no momento apropriado" ao Reino Unido.

Além disso, a Guarda Revolucionária iraniana informou ontem que tinha capturado no domingo, perto de Ormuz, um petroleiro "estrangeiro" que estaria realizando operações de contrabando.

Segundo as imagens exibidas, trata-se de uma embarcação cujo paradeiro vem sendo especulado desde o domingo e que pertence a uma companhia dos Emirados Árabes e tem bandeira do Panamá, mas ninguém em Abu Dhabi se pronunciou sobre o caso.

Também no Estreito de Ormuz, os EUA garantiram que um de seus navios abateu na quinta-feira um drone iraniano, uma ação que foi negada categoricamente hoje por Teerã.

Esses são os últimos incidentes de muitos registrados desde maio na região, onde ocorreram sabotagens e ataques a navios-tanques dos quais os EUA responsabilizaram o Irã.

As autoridades iranianas negaram qualquer envolvimento nesses ataques, mas assumiram a autoria de uma ação que abateu em junho um drone americano que, segundo Teerã, violou seu espaço aéreo. EFE

Mais Notícias