PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
1 mês

Após críticas de omissão na pandemia, MEC promete ações para apoiar escolas

Quase quatorze meses após o fechamento das escolas para frear a transmissão do vírus, a pasta também prometeu ações de apoio ao ensino remoto e à volta das aulas presenciais - Rubens Cavallari/Folha
Quase quatorze meses após o fechamento das escolas para frear a transmissão do vírus, a pasta também prometeu ações de apoio ao ensino remoto e à volta das aulas presenciais Imagem: Rubens Cavallari/Folha

Paulo Favero

05/05/2021 22h26

Criticado por omissão na pandemia, o Ministério da Educação (MEC) apresentou nesta quarta-feira, 5, um documento de 80 páginas com balanço da atuação nos últimos meses. Quase quatorze meses após o fechamento das escolas para frear a transmissão do vírus, a pasta também prometeu ações de apoio ao ensino remoto e à volta das aulas presenciais, como ferramentas digitais, investimento em conectividade, avaliação diagnóstica e apoio a atividades no contraturno.

Um dos destaques, que será lançado este mês, é o Plano Brasil Aprendizagem. "Esse programa contará com ações abrangentes, englobando a avaliação diagnóstica, a oferta de plataforma digital para as redes de ensino, disponibilização de aulas online e de livros digitais para todos os estudantes, fomento ao apoio pedagógico no contraturno a fim de reduzir os déficits de aprendizagem, ferramentas para avaliações formativas mais céleres, feedback personalizado para professores e estudantes, investimentos na conectividade das escolas e estudantes, entre outras", diz o documento.

O evento de apresentação do Relatório de Ações em Resposta à Pandemia contou com a presença do ministro Milton Ribeiro, que chegou a dizer em 2020 que a volta às aulas não era tema da pasta, mas nas últimas semanas tem defendido a reabertura dos colégios. Especialistas projetam aumento dos déficits de aprendizagem, sobretudo entre os alunos mais vulneráveis, e da evasão escolar. Também apontam risco de prejuízo às habilidades socioemocionais das crianças e adolescentes.

"Estamos criando condições para uma nova realidade, um misto de aulas presenciais e remotas, que é o ensino híbrido. O Ministério da Educação reafirma o seu compromisso de continuar trabalhando para a superação dos desafios atuais e históricos da educação brasileira, em articulação com todos os atores", explicou Ribeiro, cuja gestão tem sido alvo de críticas de entidades e ex-titulares do MEC nas últimas semanas.

Ele aproveitou para apresentar o novo Painel Coronavírus de Monitoramento, uma ferramenta desenvolvida sob a coordenação da Secretaria de Educação Superior (Sesu) em parceria com a Rede Data Science BR (DSBR) da Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB), e contou também com a colaboração da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec).

"A ferramenta fornece dados em forma de mapas e diagramas interativos e responsivos, com o objetivo de manter os cidadãos, gestores educacionais, discentes e docentes informados, com transparência e praticidade, bem como auxiliar no processo de tomada de decisão", diz o MEC.

Notícias