PUBLICIDADE
Topo

Cenário de fraca demanda volta a pressionar minério de ferro

Krystal Chia

27/02/2020 08h02

(Bloomberg) -- A resistência do minério de ferro contra o surto de coronavírus começa a diminuir. Fatores relacionados à oferta que sustentavam a matéria-prima perdem força e investidores reavaliam a visão de que os estímulos do governo chinês garantirão a demanda.

Em Cingapura, os contratos futuros apontam queda pelo quarto dia, o período de perdas mais longo em mais de um mês, que foram acompanhadas pela baixa do contrato na bolsa de Dalian. Com isso, os preços de referência, que haviam ultrapassado US$ 90 a tonelada na segunda-feira, retornam à casa dos US$ 70.

A China é a maior importadora de minério de ferro do mundo, e o surto afetou a gigantesca indústria siderúrgica do país, com menor consumo diante da desaceleração das fábricas e setor de construção. Embora os preços do minério de ferro tenham sido impulsionados pela queda da oferta depois da recente passagem de um ciclone na Austrália e pelo mau tempo no Brasil, esse impulso já passou. Em 2020, as maiores mineradoras do mundo, como Vale e BHP, planejam expandir a oferta.

"A demanda de uso final de aço permanece extremamente fraca, evidenciada pelo forte aumento dos estoques", disse o Citigroup. O banco é cauteloso em relação aos estímulos, particularmente sobre um aumento das atividades de construção no segundo trimestre, que exigem muita mão de obra, "já que a última coisa que Pequim quer ver é outra onda de surto de vírus".

Neste ano, o minério de ferro acumula perda de mais de 9%.

Em um reflexo da crescente turbulência, a principal associação de siderúrgicas do Japão pediu que usinas da China reduzam a produção devido à menor demanda. "Como presidente da federação, gostaria de enviar um alerta" sobre a acumulação de estoques na China, disse Yoshihisa Kitano, presidente da Federação de Ferro e Aço do Japão, durante conferência. "As usinas chinesas devem se esforçar para ajustar a produção."

O Australia & New Zealand Banking disse que, embora a demanda por minério de ferro continue robusta apesar do impacto da atividade na China, qualquer sinal de enfraquecimento da produção de aço pode colocar os preços sob pressão. "O teste real virá em março, quando geralmente há uma forte recuperação da produção de aço", afirmou.

--Com a colaboração de Masumi Suga.

Para contatar o editor responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net

Notícias