PUBLICIDADE
Topo

Ceará: senadores se reúnem com governador para mediar diálogo com policiais

Movimentação de veículos de agentes da Força Nacional no Centro de Formação Olímpica (CFO) em Fortaleza (CE) - KLEBER GONÇALVES/ ESTADÃO CONTEÚDO
Movimentação de veículos de agentes da Força Nacional no Centro de Formação Olímpica (CFO) em Fortaleza (CE) Imagem: KLEBER GONÇALVES/ ESTADÃO CONTEÚDO
do UOL

Cristiane Bonfim e Alex Tajra

Colaboração para o UOL, em Fortaleza e do UOL, em São Paulo

20/02/2020 23h11

Resumo da notícia

  • Parlamentares se dispuseram a intermediar negociação com amotinados
  • Policiais da Força Nacional desembarcaram no Estado na manhã de hoje
  • Bolsonaro classificou situação como "guerra urbana" e afirma que agora "o bicho vai pegar"

Um grupo de cinco senadores reuniu-se hoje com o governador do Ceará, Camilo Santana (PT), no Palácio da Abolição, em Fortaleza, para debater saídas para a crise de segurança pública no estado. O encontro durou duas horas e meia.

Participaram os senadores Tasso Jereissati (PSDB-CE), Prisco Bezerra (PDT-CE), Eduardo Girão (Podemos-CE), Major Olímpio (PSL-SP), e Elmano Férrer (Podemos-PI), além do diretor da Federação Nacional de Militares Estaduais, Coronel Elias Miler.

Nenhum dos participantes deu declarações à imprensa sobre o teor do encontro, cujo tema central, de acordo com informações apuradas pelo UOL, foi a participação dos senadores na intermediação das negociações com os policiais militares amotinados.

Antes da conversa com Santana, Olímpio, Girão, Férrer e Miler já haviam se reunido no escritório de Jereissati em Fortaleza.

Em vídeo publicado antes do encontro em suas redes sociais, Girão informou que o grupo de parlamentares havia se dirigido ao estado para debater "articular uma saída" para a crise.

Um dia depois de o senador Cid Gomes (PDT) ter sido atingido por dois tiros ao tentar furar o bloqueio formado por policiais amotinados em Sobral, Girão defendeu "uma solução pacífica, urgente e duradoura, através do diálogo, superando esse impasse, em vista de garantir o bem-estar e a segurança da população cearense".

Pouco antes do encontro, Girão afirmou na publicação que a reunião com Santana visava buscar "a reabertura das negociações com os policiais militares para, em seguida, conversar com a categoria".

Também por suas redes sociais, Major Olímpio disse que está no Ceará para "abrir um canal de diálogo dos policiais e bombeiros militares com o governo para pacificar o local". "É necessário evitar uma situação que pode virar uma grande tragédia."

Os demais participantes da reunião não se manifestaram até o final da noite.

Força Nacional desembarca no Estado

Após solicitação do governo do estado, 120 policiais da Força Nacional desembarcaram na manhã de hoje em Fortaleza. Também chegaram à capital do Ceará 17 viaturas, e há previsão de que outros 15 veículos oficiais vindos de Brasília cheguem nas próximas horas. As informações foram divulgadas pela SSPDS (Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Ceará).

Após o desembarque, o secretário da SSPDS, André Costa, se reuniu com os militares. O encontro teve participação do coronel comandante-geral da Polícia Militar do Ceará Alexandre Ávila e do coordenador-geral das operações da Força Nacional, tenente-coronel Wilson Melo.

"No total, serão 212 policiais rodoviários federais e em torno de 300 policiais da Força Nacional", afirmou em nota o secretário André Costa.

Mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) assinou um decreto para liberar o uso das Forças Armadas de 21 a 28 de fevereiro para tentar conter a crise de segurança pública no Ceará. A pedido do governador, Bolsonaro autorizou uma operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) no estado.

Ao anunciar que havia assinado o documento, Bolsonaro aproveitou para fazer pedir que o Congresso aprove o excludente de ilicitude para que os militares — que estarão com poder de polícia — não possam ser punidos.

"O bicho vai pegar", diz presidente

Em sua transmissão semanal ao vivo pelas redes sociais, Bolsonaro disse hoje que a situação no Ceará é de uma "guerra urbana" e que, com a chegada da Força Nacional no estado, "o bicho vai pegar".

"Se é para tratar com flor essa galera, não fiquem enchendo nosso saco e vão pedir para outras instituições para cumprir esta missão", disse o presidente no vídeo.

Na mesma transmissão, o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, criticou a atitude do senador Cid Gomes, baleado após tentar furar um protesto policial com uma retroescavadeira. Para Onyx, o ato foi irresponsável e colocou em risco a vida de muitas pessoas.

"Isso aí é de uma irresponsabilidade, um desequilíbrio. Um ato que colocou em risco a vida de muitas e muitas pessoas. E é evidente que, quando tu tens sua vida em risco, tu tens o direito à legítima defesa", disse o ministro.

Reestruturação salarial é causa de motim

A proposta de reestruturação salarial de policiais e bombeiros militares está em tramitação na Assembleia Legislativa do Ceará desde o dia 18 de fevereiro. Parte dos militares não concorda com o que vê o projeto de lei e têm feito motins em Fortaleza e em cidades do interior do Ceará.

A proposta do governo chegou a ser aceita e comemorada por lideranças dos militares, que depois recuaram.

O projeto concede reajustes em três etapas (março de 2020, março de 2021 e março de 2022), elevando a remuneração gradativamente. Ao final desse período a remuneração de um soldado chegaria a R$ 4,5 mil.

Representantes dos militares reivindicam que o aumento seja concedido imediatamente e de uma só vez e que as promoções na carreira resultem em maior remuneração para policiais e bombeiros militares.

Notícias