Topo
Notícias

Tanques israelenses avançam em Rafah e civis desabrigados fogem novamente

Ondas de fumaça após o bombardeio israelense em Rafah, no sul da Faixa de Gaza - AFP
Ondas de fumaça após o bombardeio israelense em Rafah, no sul da Faixa de Gaza Imagem: AFP

14/05/2024 08h14Atualizada em 14/05/2024 08h42

Por Nidal al-Mughrabi

CAIRO (Reuters) - Tanques israelenses entraram mais profundamente no leste de Rafah nesta terça-feira, alcançando alguns distritos residenciais da cidade da fronteira sul, onde mais de um milhão de pessoas estavam abrigadas após serem deslocadas em sete meses de guerra.

Aliados internacionais de Israel e grupos de ajuda humanitária têm insistido repetidamente contra uma incursão terrestre em Rafah, repleta de refugiados, alertando sobre uma possível catástrofe humanitária.

O primeiro-ministro do Catar, Mohammed bin Abdulrahman Al-Thani, disse que as operações de Israel em Rafah abalaram os esforços para tentar chegar a um cessar-fogo nas conversações que estão sendo mediadas pelo Catar e pelo Egito, embora as negociações continuem.

Israel prometeu continuar os avanços em Rafah mesmo sem o apoio dos aliados, dizendo que sua operação é necessária para erradicar os quatro batalhões remanescentes do Hamas escondidos na cidade.

"Os tanques avançaram esta manhã a oeste da Salahuddin Road para os bairros de Brasil e Jneina. Eles estão nas ruas dentro da área construída e há confrontos", disse um morador à Reuters por meio de um aplicativo de bate-papo.

Um vídeo nas mídias sociais mostrou um tanque na George Street, no bairro de Al-Jneina. A Reuters não conseguiu verificar o vídeo.

O braço armado do Hamas disse ter destruído um veículo de transporte de tropas israelense com um míssil Al-Yassin 105 no bairro de Al-Salam, no leste, matando alguns membros da tripulação e ferindo outros.

As Forças de Defesa de Israel (IDF) não quiseram comentar o relato.

Em um resumo de suas atividades, a IDF afirmou que suas forças haviam eliminado "várias células terroristas armadas" em combates a curta distância no lado de Gaza da passagem de fronteira de Rafah com o Egito. No leste da cidade, a IDF disse que também destruiu células militantes e um posto de lançamento de onde mísseis estavam sendo disparados contra as tropas da IDF.

Israel emitiu ordens de retirada para que as pessoas se mudassem de partes do leste de Rafah há uma semana, com uma segunda rodada de ordens estendendo-se a outras zonas no sábado.

As pessoas estão se mudando para áreas de terra vazias, incluindo Al-Mawasi, uma faixa de areia que faz fronteira com a costa e que Israel designou como área humanitária. As agências de ajuda humanitária advertiram que a zona carece de instalações sanitárias e outras para receber um fluxo de pessoas deslocadas.

A UNRWA, principal agência de ajuda das Nações Unidas em Gaza, estima que cerca de 450.000 pessoas tenham fugido de Rafah desde 6 de maio.

"As pessoas enfrentam exaustão, fome e medo constantes. Nenhum lugar é seguro", postou a agência no X.

A guerra levou grande parte da população de Gaza à beira da fome, segundo a ONU, e devastou suas instalações médicas, onde os hospitais, se é que funcionam, estão ficando sem combustível para alimentar geradores e outros suprimentos essenciais.

(Reportagem de Nidal al-Mughrabi no Cairo, Clauda Tanios em Dubai, Maggie Fick em Londres)

Notícias