Topo
Notícias

Conteúdo publicado há
1 mês

Em Israel, chanceler britânico diz que israelenses decidiram retaliar contra Irã

14.abr.2024 - Israel intercepta míssil lançado pelo Irã  - Jamal Awad/Xinhua
14.abr.2024 - Israel intercepta míssil lançado pelo Irã Imagem: Jamal Awad/Xinhua

Dan Williams;Nidal al;Mughrabi;

Da Reuters, em Jerusalém (Israel) e Cairo (Egito)

17/04/2024 08h05

Israel decidiu claramente retaliar contra o Irã devido aos ataques com mísseis e drones, disse o ministro das Relações Exteriores do Reino Unido, David Cameron, durante uma visita a Israel na quarta-feira, o que representa o aviso mais contundente de que mais ataque está por vir na escalada regional.

As potências mundiais estão se esforçando para evitar um conflito mais amplo no Oriente Médio após os ataques do Irã na noite de sábado que envolveram centenas de mísseis e drones, a primeira vez que o Irã atacou diretamente Israel após décadas de confrontos por meio de representantes.

O Irã lançou os ataques em resposta a um suposto ataque aéreo israelense contra o complexo de sua embaixada em Damasco em 1º de abril, que matou dois generais e outros oficiais iranianos.

Depois de mais de seis meses de uma guerra entre Israel e o Hamas, grupo militante palestino apoiado pelo Irã, que tem desencadeado surtos de violência em todo o Oriente Médio, os diplomatas estão procurando uma maneira de evitar uma batalha direta entre Israel e Irã.

Os mísseis e drones iranianos lançados no sábado foram, em sua maioria, abatidos por Israel e seus aliados, não causando mortes e apenas pequenos danos. Mas Israel diz que tem que retaliar para preservar a credibilidade de seus meios de dissuasão. O Irã afirma que considera o assunto encerrado por enquanto, mas retaliará novamente se Israel o fizer.

"Está claro que os israelenses estão tomando a decisão de agir", disse Cameron aos repórteres no início de sua visita a Jerusalém. "Esperamos que eles o façam de uma forma que contribua o mínimo possível para a escalada."

Washington e outros governos ocidentais esperam que novas sanções econômicas contra o Irã ajudem a persuadir Israel a limitar o escopo de sua retaliação. Cameron disse que o Reino Unido deseja ver sanções coordenadas contra o Irã pelo Grupo dos Sete, que se reunirá esta semana na Itália.

"Eles precisam receber uma mensagem clara e inequívoca do G7", afirmou ele.

Israel deve discutir sua resposta ao Irã em uma reunião do gabinete de guerra do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, que também inclui rivais centristas trazidos para o governo como um gesto de unidade depois que o Hamas atacou Israel em 7 de outubro.

Washington está planejando impor novas sanções contra o programa de mísseis e drones do Irã nos próximos dias e espera que seus aliados sigam o exemplo, disse o conselheiro de segurança nacional Jake Sullivan em um comunicado na terça-feira.

Mais cedo, a secretária do Tesouro, Janet Yellen, disse que os Estados Unidos usariam sanções e trabalhariam com aliados para continuar a interromper a "atividade maligna e desestabilizadora" do Irã.

O chefe de política externa da União Europeia, Josep Borrell, falando em Bruxelas após uma videoconferência de emergência dos ministros das Relações Exteriores da UE, afirmou que alguns Estados-membros pediram que as sanções contra o Irã fossem ampliadas.

Borrell disse que a proposta expandiria um regime de sanções que busca restringir o fornecimento de drones iranianos para a Rússia, de modo a incluir também o fornecimento de mísseis e poderia abranger ainda entregas a representantes iranianos no Oriente Médio.

Desde que os combatentes do Hamas precipitaram a guerra em Gaza ao atacar o sul de Israel, matando 1.200 pessoas e capturando 253 reféns, de acordo com os registros israelenses, também surgiram confrontos entre Israel e grupos alinhados ao Irã baseados no Líbano, na Síria, no Iêmen e no Iraque.

Dentro da Faixa de Gaza, Israel lançou uma guerra aérea e terrestre maciça, com quase 34.000 palestinos confirmados como mortos, segundo médicos palestinos, e milhares de outros que se teme estarem mortos, ainda perdidos entre os escombros.

Notícias