PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Com medidas, Brasil pode ter 'travessia segura' em crise hidrelétrica, diz ONS

Segundo o diretor do operador, a situação "é preocupante", mas foi identificada "tempestivamente" - Paulo Whitaker
Segundo o diretor do operador, a situação "é preocupante", mas foi identificada "tempestivamente" Imagem: Paulo Whitaker

Roberto Samora

Em São Paulo

15/06/2021 11h53Atualizada em 15/06/2021 12h27

Medidas como mudanças nas vazões dos reservatórios de hidrelétricas e o uso de energia termelétrica deverão permitir que o Brasil passe pela crise hidrelétrica de forma "segura", afastando riscos de abastecimento de eletricidade, disse hoje o diretor-geral do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), Luiz Carlos Ciocchi.

Segundo ele, a "situação é preocupante sim", mas ela foi identificada "tempestivamente" e várias medidas vêm sendo tomadas.

"Com essas ações, garantimos que chegaremos ao final do ano com energia e potência necessárias para o consumo da sociedade brasileira", afirmou Ciocchi, durante audiência pública na Câmara dos Deputados.

O evento, que reuniu integrantes de diversas instituições, como a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), foi realizado em momento em que o governo prepara uma Medida Provisória que poderá permitir inclusive a adoção de ações mais drásticas de controle de uso de energia, como um racionamento compulsório.

O texto da MP prevê ainda que um novo comitê, a Care (Câmara de Regras Operacionais Excepcionais para Usinas Hidrelétricas), terá o poder de determinar a alteração da vazão das hidrelétricas — principal fonte de geração do país —, assim como limites de uso e armazenamento.

As projeções do ONS indicam que, sem tais ações adicionais como mudanças na vazão das hidrelétricas, a situação estará ainda mais crítica, com os reservatórios do Sudeste e Centro-Oeste (o principal sistema em armazenamento do sistema no país), chegando ao final do ano com apenas 7,5% de energia armazenada.

"Situação crítica e abaixo de todos os níveis mensais em histórico de 20 anos", disse

Com as ações implementadas, o sistema chega a 10,3% de energia armazenada, disse ele, "o que ainda é um nível preocupante, mas mostrando que não teremos nenhum problema de energia ou potência ao final de novembro de 2021", quando tem início a estação chuvosa.

Para o diretor, a primeira e mais importante medida tem relação com as vazões dos reservatórios de Jupiá e Porto Primavera e a flexibilização da operação de reservatórios da bacia do Paraná, principalmente Furnas.

"Essa ação busca segurar essas águas, não usar as águas para geração de energia elétrica, para garantir a governabilidade em todas as cascatas, interligadas. Precisamos garantir que todas as usinas tenham nível mínimo de água para que sejam operadas e manobradas", disse.

Segundo ele, as medidas permitem maior geração das usinas termelétricas, que poderão ser despachadas com a redução na geração das hidrelétricas neste momento.

Outra medida prevista é a redução do calado ou até a paralisação da hidrovia Tietê-Paraná a partir de 1 de julho.

"Estamos discutindo em nível federal", afirmou, dizendo que vários departamentos do governo estão sendo mobilizados, incluindo no Estado de São Paulo.

Ele citou ainda a flexibilização da operação dos reservatórios do rio São Francisco. No que diz respeito a este sistema, a ANA (Agência Nacional de Águas) publicou hoje resolução que autoriza a operação excepcional nos meses de junho, julho, setembro, outubro e novembro de 2021.

"Isso porque hoje os reservatórios do Nordeste estão com mais água que no Sudeste e o Centro-Oeste. Mais à frente, quando precisarmos dessas águas, dessa energia, possamos contar."

Ele esclareceu que, até o momento, as medidas não vão trazer restrições para o consumo humano de água, mas sim no uso de hidrovias e para a geração hidrelétrica e o turismo.

"Com essas medidas implementadas conseguiremos uma travessia segura deste nosso ano de 2020/21 tão castigado do ponto de vista hídrico", afirmou o diretor, citando a pior estação chuvosa para as hidrelétricas em 91 anos.

"Se não adotar essas medidas, chegaremos no próximo ano em condição muito frágil, as ações são fundamentais", afirmou.

Notícias