PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
1 mês

Australianos enfrentam praga de ratos após lidarem com fogo e inundações

Austrália está lidando com uma infestação de ratos - Saeed KHAN / AFP
Austrália está lidando com uma infestação de ratos Imagem: Saeed KHAN / AFP

14/06/2021 08h23

Após anos de seca, os agricultores do leste da Austrália enfrentam uma longa batalha contra uma praga de ratos que invade os campos e devora suas plantações.

O fazendeiro Col Tink usa uma vassoura para empurrar centenas de ratos para uma armadilha improvisada que consiste em um grande cano para afogá-los.

É uma simples tentativa de conter a praga que invadiu sua fazenda, perto da cidade rural de Dubbo, e centenas de outras fazendas no leste da Austrália.

ratos - Saeed KHAN / AFP - Saeed KHAN / AFP
Imagem: Saeed KHAN / AFP

Apesar do esforço, os ratos continuam comendo os grãos e o feno armazenados, além de tudo o que é comestível para eles.

Vídeos de massas de roedores têm rodado o mundo, junto com relatos de pessoas sendo mordidas, maquinários danificados e ratos vagando nas estradas em grande número.

A praga é a última de uma série de desastres que atingiram os agricultores australianos, após anos de seca seguidos por meses de incêndios, antes que as chuvas os apagassem e, em seu lugar, causassem enchentes em algumas áreas.

"Meu pai ainda está vivo, ele tem 93 anos e esses são os piores três anos que ele já viveu", diz Tink, um criador de gado Brahman.

As perspectivas para esta praga não são positivas, segundo Steve Henry, pesquisador da agência australiana de ciências.

"Quando uma infestação de ratos termina, ela simplesmente desaparece da noite para o dia. Não estamos vendo isso agora", diz Henry, que pesquisa pragas de animais na Austrália há três décadas.

Os ratos são uma praga silvestre na Austrália, onde chegaram com os primeiros colonos britânicos.

Mas este ano os números têm sido "astronômicos", de acordo com Terry Fishpool, um produtor de grãos de 74 anos da vizinha Tottenham.

Bill Bateman, professor associado da Curtin University, comentou que grandes infestações de ratos geralmente ocorriam uma vez a cada década, mas que as mudanças climáticas podem torná-las mais constantes.

"Se não tivermos mais invernos frios, os ratos terão recursos o ano todo e isso se tornará crônico", explicou Bateman.

O governo anunciou ajuda de milhões de dólares e buscou um veneno mais potente, que um ministro chamou de "napalm para ratos".

O veneno bromadiolona, que ainda não foi aprovado, funciona mais rápido do que o fosforeto de zinco, mas também permanece no corpo do animal morto por mais tempo.

Especialistas temem que também possa matar animais silvestres que comem ratos mortos.

Bateman alertou que o uso desse veneno pode criar um "banco de toxinas" no meio ambiente, matando predadores naturais e colocando os humanos em risco de serem envenenados pela cadeia alimentar.

Notícias