Carnaval 2018

Carnaval 2018

Você sabe qual foi o primeiro samba-enredo do Carnaval? Veja a história

Jorge Araújo/Folhapress
Sambas-enredo ganharam importância com o crescimento do Carnaval; na imagem, a Vila Isabel em 1988 com o tema "Valeu, Zumbi! Um grito forte dos Palmares..." Imagem: Jorge Araújo/Folhapress

Anderson Baltar

Colaboração para o UOL, no Rio

09/02/2018 04h00

Na maioria das vezes, ele é composto para embalar uma escola de samba por pouco mais de uma hora – tempo que dura o seu desfile. Porém, em muitos casos, a qualidade das obras apresentadas na avenida é tamanha que seus versos ecoam, até hoje, em blocos, bailes e festas de Carnaval por todo o mundo.

Sem falar das regravações por muitos artistas da MPB que fazem, em diversos casos, o público desconhecer o fato de que a música que tanto adora já embalou uma escola de samba na Sapucaí. Do início romântico à era da comercialização, conheça, a partir de agora, a história do gênero que é a cara do Carnaval carioca.

Os primórdios

O primeiro desfile das escolas de samba foi realizado em 1932 na lendária Praça Onze (destruída nos anos 1940 para a abertura da Av. Presidente Vargas, no centro do Rio de Janeiro). Nos primeiros anos, as escolas, apesar de já possuírem enredo, não tinham um samba-enredo definido. Em muitos casos, as agremiações, que não passavam de 200 componentes, cantavam até mais de um samba – compostos sempre de um refrão principal, que era repetido por todos e por versos improvisados pelos “versadores”, a primeira roupagem dos puxadores de samba. Detalhe: os sambas nada tinham a ver com o tema do desfile.

Qual foi o primeiro samba-enredo?

Pesquisadores e estudiosos divergem sobre qual teria sido o primeiro samba-enredo da história. Há quem diga que “O Mundo do Samba”, apresentado pela Unidos da Tijuca em 1933 tenha a primazia. Dentre os três sambas apresentados pela Mangueira em 1935, um, de Cartola, Carlos Cachaça e Artur Faria tinha mais proximidade com o enredo “A Pátria”. A Azul e Branco do Salgueiro (uma das escolas que daria origem à poderosa Acadêmicos do Salgueiro), em 1938, trouxe o samba de Antenor Gargalhada que serviu como uma luva para o tema “Asas para o Brasil”. Uma obra fundamental é “Teste ao Samba”, de Paulo da Portela, que embalou o desfile sobre o mesmo tema em 1939.

O samba-enredo se consolida

O desfile das escolas de samba foi financiado pela primeira pela Prefeitura do Rio em 1935. Com o Estado Novo, o governo de Getúlio Vargas intensifica a adoção do samba como um símbolo cultural do país. Em contrapartida, os sambistas passaram a se submeter a regulamentos mais rígidos. Com a obrigatoriedade da apresentação de temas de cunho nacional, as escolas, aos poucos, começam a se preocupar em fazer sambas que tenham verdadeiramente ligação com os enredos apresentados. Um marco dos anos 1940 é “Exaltação a Tiradentes” (Mano Décio da Viola, Estanislau Silva e Penteado), samba que embalou o campeonato do Império Serrano em 1949 e que depois seria regravado, com grande sucesso, por Elis Regina.

O "samba-lençol"

Na década de 1950, o desfile das escolas de samba se consolida como a principal atração do Carnaval carioca e passa a acontecer na Avenida Rio Branco, até então, ponto nobre da folia. Os sambas-enredos passam por um processo de sofisticação. Bastante extensos, com rimas apuradas e, em muitas vezes com mais de 40 versos, são conhecidos como “lençol” pela particularidade de “cobrir o enredo todo”.

Nos anos 1960, o desfile se transfere para a Avenida Presidente Vargas e as primeiras arquibancadas são construídas para comportar o público – muitas vezes, estimado em mais de 500 mil pessoas. Neste período, duas escolas passam a se destacar com sambas que hoje fazem parte de qualquer antologia: Império Serrano e Salgueiro.

O Império conquistou esse status graças a compositores como Mano Décio da Viola, Dona Ivone Lara, Penteado e, o maior deles, Silas de Oliveira. Obras como “Aquarela Brasileira” (1964), “Os Cinco Bailes da História do Rio” (1965) e “Heróis da Liberdade” (1969) são obrigatórias em qualquer tentativa de se contar a história do Carnaval através dos sambas.

Guto Costa/Divulgação
Dona Ivone Lara, um dos grandes nomes da composição de sambas do Brasil Imagem: Guto Costa/Divulgação

Já o Salgueiro marcou época com uma nova proposta de enredos e visual. Comandada por Fernando Pamplona e Arlindo Rodrigues, a escola trouxe temas negros para a avenida e, sem se esquecer da importância da música, legou à história do Carnaval sambas como “Chica da Silva” (1963), “Chico Rei” (1964) e “Dona Beja, a Feiticeira do Araxá” (1968), graças à criatividade de poetas como Noel Rosa de Oliveira, Anescarzinho, Geraldo Babão, Djalma Sabiá e Aurinho da Ilha.

Modernidade e sucesso no rádio

No final dos anos 1960, o samba-enredo começa a se modificar graças a um fator primordial: o lançamento do LP com os hinos das escolas. A primeira “bolacha” foi lançada em 1968 e serviu para popularizar os sambas, que anteriormente só eram conhecidos pelo grande público no momento do desfile. Com a inserção do samba-enredo no mercado musical, uma consequência natural foi a simplificação na estrutura. Com menos linhas, palavras mais coloquiais e refrãos fortes, o samba-enredo estava pronto para conquistar o mercado radiofônico. Antes mesmo de o primeiro disco ser lançado, a Mangueira fez grande sucesso com seu samba “O Mundo Encantado de Monteiro Lobato” (1967), gravado por Eliana Pitman.

Três compositores passam a se destacar: na então pequena Unidos de Vila Isabel, Martinho da Vila emplaca sambas como “Carnaval de Ilusões” (1967), “Quatro Séculos de Modas e Costumes” (1968), “Yayá do Cais Dourado” (1969) e “Glórias Gaúchas”(1970). De melodias pegajosas e letras que dialogavam com cantigas populares, estas obras consolidam Martinho como um dos maiorais do samba e dão à sua escola um outro patamar. Na Imperatriz Leopoldinense, Zé Katimba surge na mesma linha e emplaca “Martin Cererê” (1972), o primeiro samba a ser trilha sonora de uma novela (Bandeira 2, da Rede Globo). E no (sempre) inovador Salgueiro, Zuzuca emplaca “Festa para um Rei Negro” (1971), mais conhecido como “Pega no Ganzá” – até hoje cantado em blocos e bailes e que virou até música da torcida do Barcelona.

Marcos Pinto/BOL
Martinho da Vila rapidamente se destacou na Vila Isabel Imagem: Marcos Pinto/BOL

Presente obrigatório no Natal

Nos anos 1970 e 1980, o samba-enredo atinge o seu apogeu midiático. Graças ao sucesso do disco nas rádios e da transmissão pela televisão (que, a partir de 1972, tornou-se colorida), os hinos das escolas de samba cariocas tornam-se uma coqueluche, com recordes de venda de LPs a cada ano. Ao lado do disco anual de Roberto Carlos, o álbum das escolas de samba torna-se um item obrigatório nas árvores de Natal de muitas famílias brasileiras. Em 1989, o álbum bateu seu recorde de vendas, com mais de 1 milhão de cópias comercializadas.

Neste período, foram gerados muitos sambas que até hoje são cantados de norte a sul do país. Como exemplos, as obras da então novata União da Ilha do Governador como “Domingo” (1977), “O Amanhã” (1978), “É Hoje” (1982) e “Festa Profana” (1989). Compositor de mão cheia, David Correa emplacou sucessos na Portela como “Hoje tem Marmelada” (1980) e “Das maravilhas do mar, fez-se o esplendor de uma noite” (1981) na Portela, além de fazer sucesso com “Skindô, skindô” (1984), no Salgueiro. David ainda venceria sambas na Imperatriz, Mangueira, Vila Isabel e Estácio de Sá, sendo um dos precursores do que se tornaria rotina nos anos seguintes: compositores que não se prendem mais a apenas uma escola – consequência do negócio lucrativo que o mercado de samba-enredo se tornou.

Este período ainda legaria para a história do Carnaval obras seminais, como “Bumbum, paticumbum, prugurundum” (Império Serrano, 1982), “Liberdade, liberdade, abre as asas sobre nós” (Imperatriz, 1989) e “Kizomba, a festa da raça” (Vila Isabel, 1988) – símbolos de uma época em que ter um bom samba era meio caminho andado para a vitória na avenida.

Decadência

As décadas de 1990 e 2000 marcam um período de decadência nos sambas-enredos. Este processo acontece de mãos dadas com dois fenômenos: tanto a perda na qualidade dos enredos, que, na maioria dos casos, passam a ser patrocinados por empresas ou governos, como também a “invasão” dos artistas advindos do Carnaval baiano. Como consequência, pelas ruas e salões de todo o país, o samba-enredo perde espaço para a axé music.

Deste período, poucos sambas ficaram para a memória – em sua grande maioria, obras do início dos anos 1990 e que ainda surfaram na popularidade da década anterior. O melhor exemplo é “Peguei um Ita no Norte”, que conduziu o Salgueiro a um desfile arrebatador em 1993. “De Bar em Bar, Didi um poeta” (União da Ilha, 1991), “Sonhar não custa nada” (Mocidade, 1992) e “Atrás da verde e rosa só não vai quem já morreu” (Mangueira, 1994) são alguns dos sambas que conseguiram sobreviver a este cenário.

Retomada

Na década atual, o samba-enredo passa por um processo de revitalização, ainda que isso não se tenha revertido na retomada da popularidade dos anos anteriores. A decadência do modelo de enredo patrocinado foi decisiva para que as escolas voltassem a escolher temas mais interessantes para os compositores. Muitos especialistas afirmam que, se fossem lançados nos anos 1980, seriam antológicos sambas como “Brasil de todos os deuses” (Imperatriz, 2010), “E o povo na rua cantando, é feito uma reza, um ritual” (Portela, 2012), “Você semba lá... Que eu sambo cá! O canto livre de Angola”, (Vila Isabel, 2012) e “A Vila canta o Brasil celeiro do mundo - Água no feijão que chegou mais um...” (Vila Isabel, 2013).

É samba-enredo, sabia?

Muitos sambas entraram para a história da música popular brasileira graças às regravações de artistas de sucesso. Com o tempo, muitos fãs acreditam que estas músicas são de autoria de seus intérpretes, ignorando o fato de que foram sambas de grande sucesso na avenida. Veja alguns exemplos:

- “Bahia de Todos os Deuses” (Salgueiro, 1969)

Sucesso estrondoso na voz de Elza Soares (que cantou o samba na avenida) e Jair Rodrigues, este samba é um dos maiores sucessos da história do Salgueiro. Obra de Bala e Manuel Rosa.

- “A Lenda das Sereias” (Império Serrano, 1976)

Um dos grandes sucessos do repertório de Marisa Monte, este samba, na verdade, embalou o desfile do Império Serrano no Carnaval de 1976. Seus autores são Vicente Mattos, Dionel e Veloso.

- “O Amanhã” (União da Ilha, 1978)

Imortalizado por uma gravação de Simone (que incluiu um “ô, ô, ô” que não faz parte da versão original), é um dos sambas mais famosos da União da Ilha do Governador, assinado por João Sérgio.

- “É Hoje” (União da Ilha, 1982)

Sucesso nas vozes de Caetano Veloso e Fernanda Abreu, este samba, de Didi e Mestrinho, conduziu a União da Ilha a um de seus desfiles mais bem sucedidos: quinto lugar no Carnaval de 1982. 

Sambas-enredos fundamentais

Conversamos com alguns especialistas e eles nos disseram seus sambas-enredos favoritos. Confira:

1 - “Os Cinco Bailes da História do Rio” (Império Serrano, 1965)

Na opinião da pesquisadora e escritora Rachel Valença, este samba é “o mais perfeito exemplo da aproximação do samba-enredo com a epopeia clássica”. O historiador e escritor Luiz Antonio Simas afirma que o samba, composto por Silas de Oliveira, Dona Ivone Lara e Bacalhau, é “um clássico samba-lençol, cobrindo todo o enredo com melodia sublime”.

2 - “Chico Rei” (Salgueiro, 1964)

De acordo com o pesquisador e professor da Uerj Felipe Ferreira, este samba merece estar em qualquer antologia por conta da beleza de sua letra e música. O compositor Tunico da Vila, filho de Martinho da Vila, considera que a obra, de Geraldo Babão, Djalma Sabiá e Binha,  é “uma obra prima, que refletia a resistência e a sobrevivência dos escravos em busca da liberdade”.

3 - “Dona Bêja, Feiticeira de Araxá” (Salgueiro, 1968)

Na opinião do jornalista e comentarista Fábio Fabato, trata-se de “um samba que promove o encontro mais sublime entre História e lirismo, sem prejudicar qualquer uma dessas vertentes poéticas”. O intérprete do Salgueiro, Leonardo Bessa, destaca que o samba, além de belíssimo, nem sempre é lembrado pelo público. O autor é Aurinho da Ilha.

4 - “Heróis da Liberdade” (Império Serrano, 1969)

Um samba corajoso, lançado no auge da ditadura militar e que até hoje abre os ensaios do Império Serrano. Na opinião do compositor André Diniz, várias vezes campeão na Vila Isabel, este samba é a obra-prima de Silas de Oliveira. Fábio Fabato faz coro: “é praticamente um libelo em prol da liberdade em roupagem de música de carnaval”.

5 - “Das maravilhas do mar, fez-se o esplendor de uma noite” (Portela, 1981)

Um clássico portelense, assinado por David Correa e Jorge Macedo e que ficou por mais de seis meses após o Carnaval nas paradas de sucesso. André Diniz destaca que este samba marcou um momento em que os sambas-enredos ficaram mais vibrantes e, desta forma, conquistaram o público com maior facilidade.

6 – “Os Sertões” (Em Cima da Hora, 1976)

Na opinião do compositor Cláudio Russo, autor do samba do Tuiuti para este Carnaval, “este é o samba com o maior poder de síntese da história. Dor e drama em melodia de lamento”. Luiz Antonio Simas destaca que este samba foi o grande exemplo de um modelo que durante anos caracterizou o estilo com a primeira parte em tom menor, a segunda parte em maior e refrão final de quatro versos.

7  – “Sonho de um sonho” (Vila Isabel, 1980)

Na opinião de Andre Diniz, trata-se de “um samba genial do início ao fim, com a marca de Martinho da Vila”. Tunico da Vila, naturalmente concorda e afirma que, além de ser uma das grandes obras de seu pai, tem o mérito de tocar em temas sensíveis como a tortura em plena época de abertura política.

8 – “Sublime Pergaminho” (Unidos de Lucas, 1968)

O samba mais relevante da Unidos de Lucas, escola tradicional mas que hoje se encontra no Grupo C (equivalente à quarta divisão) do Carnaval Carioca. Cláudio Russo afirma que o samba, além de bonito, é necessário e destaca que, a partir de seu refrão, surgiu o mote para o enredo do Tuiuti para 2018: “Meu Deus, Meu Deus está extinta a escravidão?”. A obra é assinada por Zeca Melodia, Nilton Russo e Carlinhos Madrugada.

9 – “Domingo” (União da Ilha, 1977)

O samba que catapultou a União da Ilha ao patamar de escola querida pelo público foi lembrado pelo escritor Alberto Mussa. Em sua opinião, o samba de Aurinho da Ilha, Ademar Vinhais, Ione do Nascimento e Waldir da Vala trouxe a “alegria e a descontração ao nível de epopeia”.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
UOL Entretenimento
Anderson Baltar

Anderson Baltar

Unidos da Tijuca quer voltar a ser campeã com Comissão reforçada

Uma das escolas que mais evoluíram nos últimos 20 anos no Carnaval carioca, a Unidos da Tijuca demonstra estar de volta à briga do título. Após o acidente no desfile de 2017 e de um Carnaval de entressafra em 2018, a azul e amarela trouxe como reforços para o seu barracão o diretor de Carnaval Laíla e o carnavalesco Fran Sergio. Eles se juntaram à Comissão de Carnaval formada por Annik Salmon, Hélcio Paim e Marcus Paulo, que já vinha trabalhando na agremiação desde os tempos em que o desfile era comandado por Paulo Barros.  Com a nova composição, a Comissão ganha a junção de duas filosofias que renderam campeonatos: a modernidade e leveza da Tijuca e o luxo e densidade dos desfiles da Beija-Flor. A mistura, à primeira vista inusitada, de acordo com os carnavalescos, dará certo na Sapucaí. A Tijuca, que encerrará o desfile de domingo, trará o enredo "Cada macaco no seu galho. Ó, meu Pai, me dê o pão que eu não morro de fome!", sobre toda a importância do pão no contexto histórico, religioso e social ao longo da trajetória da humanidade. Para saber mais detalhes do Carnaval da escola, conversamos com Annik, Fran Sergio, Hélcio e Marcus. Confira: Anderson Baltar: Como surgiu a ideia do enredo? Annik: A gente já tinha a vontade de fazer um enredo que tocasse as pessoas e tivesse uma mensagem emocional, de amor. Recebemos um e-mail com a sugestão de um enredo sobre o páo. Só que a proposta era de um enredo histórico. Gostamos da ideia de usar o pão como pano de fundo para o nosso enredo, mas usar para falar do momento atual do país e do mundo, da falta de amor e de companheirismo e da intolerância política e religiosa.  A Tijuca tinha uma linha de Carnavais, desde Paulo Barros. E Laíla e Fran vieram da Beija-Flor com outra proposta. Qual será o estilo de desfile? Leve e alegre que nos acostumamos ou um pouco mais clássica? Marcus: Um pouco dos dois. Tanto para nós quanto para eles é um estilo diferente de enredo. E tudo se encaixou perfeitamente.  Fran Sergio: Todos tínhamos a vontade de fazer um enredo com essa pegada. Vai se criar uma nova forma de desfile. O samba já mostra isso. É uma outra Tijuca que irá para a avenida.  Teremos alegorias humanas? Annik: Sim! Fran Sergio: Teremos a alegria e a leveza da Tijuca, mas a pompa e o luxo dos bons tempos da Beija-Flor.  Marcus: Você vai falar que não é Beija-Flor, nem Tijuca. É uma nova forma de Carnaval. Hélcio: Queríamos fazer um enredo mais humanitário e ter um grande samba. Era uma deficiência da escola. Apesar de cantarmos muito, batíamos na trave. O trabalho do Laíla aprimorou muito a qualidade dos sambas e fomos muito felizes porque tivemos uma final com quatro grandes obras. Estamos apostando no trabalho de barracão e no samba, que já foi abraçado pela comunidade. Fran Sergio: O Laíla é um grande mestre e está com sangue nos olhos, com vontade de ser campeão. E, a despeito de toda experiência,  a mente dele é mais jovem que a nossa. Annik: Quando estamos desanimados, ele vem e nos incentiva.  O que podemos saber desde já do que será mostrado na avenida? Fran Sergio: Contaremos a história do pão, não só o alimento, mas o pão material, espiritual e social. Falaremos do início do pão, das primeiras civilizações que o desenvolveram. Temos uma parte religiosa, mostrando o pão da vida. Enfocaremos a era das revoluções, surgidas por conta da falta do "pão", mostraremos a chegada do alimento ao Brasil, dos negros nos tumbeiros vindo para cá à base de pão e água. E terminamos com uma crítica social, a toda essa desigualdade e intolerância. Se cada um fizer sua parte, ou seja, cada macaco estiver no seu galho, teremos um mundo melhor.  Vivemos a pior crise financeira da história do Carnaval. No que vocês apostaram para diminuir os custos? Hélcio: O presidente pediu para não tivermos excessos e desperdício. Vamos trabalhar bastante com materiais alternativos. Fran Sergio: Tem muita palha, capim. As roupas não são muito grandes, porque queremos que a escola evolua  e cante muito. E também diminuímos um setor: ao invés de seis carros, desfilaremos com cinco. Marcus: Fizemos também um trabalho grande de pesquisa de materiais. Fomos em São Paulo procurar e conseguimos muita coisa a um preço bem mais baixo. Hélcio: O corte mais sensível na estrutura é o de uma alegoria. Temos uma ala a menos do que ano passado. Não podemos prejudicar a qualidade do espetáculo.  2018 foi um ano de transição. Para 2019, podemos considerar a Tijuca de volta pra briga, mesmo desfilando no domingo? Annik: Sem dúvida. Inclusive, a Tijuca já foi campeã desfilando no domingo.  Fran Sergio: E ainda vamos encerrar o desfile. Eu, particularmente, adoro. Ganhei alguns Carnavais na Beija-Flor nesta posição de desfile. Marcus: É o nosso objetivo.  Annik: Nos últimos anos, as escolas que trazem um grande samba têm sido campeãs. Nesse ano, além dos quesitos da Tijuca, que sempre foram fortes, temos um grande samba. Isso pode fazer a diferença. Hélcio: É fundamental agradar ao público. Se tivermos um grande samba, o público se empolgará e, certamente, influenciará os jurados.  Mesmo desfilando de dia? Marcus: O nosso último campeonato foi em 2014, com o enredo do Ayrton Senna, encerrando o desfile. Hélcio: Prefiro desfilar por último do que primeiro.  Fran Sergio: Já estamos preparando para desfilar de dia. Paleta de cores, materiais, tudo feito para brilhar com o sol. Hélcio: O nosso sonho é que o povo se empolgue com o samba e venha sambando atrás da Tijuca. Estamos trabalhando para isso. Ter um samba explodindo na Sapucaí é a melhor resposta e a maior satisfação.

Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Da Redação
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Da Redação
Estadão Conteúdo
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Topo