Carnaval 2018

Carnaval 2018

Não caia: bandidos dão golpes em vítimas de roubo de celular no Carnaval

Getty Images/iStockphoto
Roubo de celular pode se transtornar em um transtorno ainda maior Imagem: Getty Images/iStockphoto

Gabriel Francisco Ribeiro

Do UOL, em São Paulo

09/03/2019 04h00

Você acabou de ter seu celular roubado e está completamente arrasado com a situação. Eis, então, que um dos seus contatos te encaminha uma mensagem dizendo que seu aparelho foi encontrado. Basta você entrar em uma página e digitar seus dados para retirar o smartphone em uma autorizada. Parece ótimo, né? Mas não caia nessa.

Foi exatamente isso que ocorreu recentemente com um caso que a reportagem do UOL Tecnologia teve acesso. Após ter um iPhone furtado durante um bloco de rua do Carnaval de São Paulo, contatos de emergência do aparelho perdido passaram a receber mensagens supostamente da Apple afirmando que o dispositivo havia sido encontrado.

A mensagem surpreende pelo nível de detalhe para tornar o phishing mais atrativo: é dado o nome e sobrenome da vítima, além de informações sobre o modelo e capacidade de armazenamento do iPhone roubado. O site oferecido pelos criminosos também imita perfeitamente o da Apple e visa pegar quem não presta atenção no link que está clicando - algo que o Google deseja mudar, aliás.

Reprodução
Mensagem de golpe após celular furtado Imagem: Reprodução

Os hackers só não são eficientes na formulação da mensagem, que fica bem distante das enviadas oficialmente por empresas. Em poucos dias, três contatos próximos receberam pelo menos seis mensagens com os alertas de que o iPhone teria sido encontrado e com o pedido de login no site suspeito, que a vítima logo identificou como falso. Alguém mais desesperado e menos atento, contudo, pode sair clicando na busca por seu iPhone perdido.

Os envios das mensagens representam uma tentativa dos criminosos de recuperar um celular com os dados apagados e bloqueado logo após o furto.

"Uma vez que o celular é bloqueado remotamente, os criminosos tentam conseguir as credenciais do iCloud para que seja possível realizar o desbloqueio e acessarem os dados armazenados na nuvem", aponta Thiago Marques, analista de segurança da Kaspersky.

Se conseguem acesso ao iCloud da vítima, podem desbloquear o aparelho para usar com outra conta e também ter acesso aos dados armazenados no iCloud como fotos e documentos que podem ser utilizados para algum tipo de chantagem 

Thiago Marques, analista da Kaspersky

A intenção dos bandidos é ganhar a confiança da vítima para roubar as credenciais.

Eles esperam que os contatos encaminhem o link para você. O fato de enviarem essas mensagens para seus contatos significa que seu iPhone está perfeitamente bloqueado 

Apple

Segundo a Kaspersky, golpes de phishing têm sido uma estratégia cada vez mais comum usada por criminosos após roubos de smartphones.

Como conseguem os contatos?

Como o iPhone foi bloqueado e apagado cerca de 20 minutos após o roubo, não está claro como os criminosos conseguiram acesso aos contatos de emergência do aparelho. Os dados usados por criminosos com certeza são oriundos do app Saúde e da função Ficha Médica do dispositivo. 

Reprodução
Golpistas tentam roubar credenciais do iCloud Imagem: Reprodução

A Apple aponta que a função é voltada para bombeiros e policiais, mas não deixa claro se é apagada do smartphone após ele ser deletado remotamente, o que deveria acontecer. Para a Kaspersky, há meios de conseguir a informação.

"É complicado dizer o que aconteceu, mas muitas vezes os criminosos evitam conectar o celular à internet justamente para evitar que aconteça a limpeza do sistema operacional do dispositivo em que uma parte da memória interna do smartphone é apagada. Sem conexão, eles podem retirar o chip, verificar se existe algo armazenado diretamente e até mesmo buscar mais informações sobre a vítima a fim de efetuar o ataque", explica.

No caso consultado pela reportagem, contudo, o aparelho foi conectado à internet algumas horas após o roubo, quando foi apagado remotamente, e teve o chip cancelado na operadora minutos após o furto.

Foi roubado? Veja o que fazer

Se você teve o celular roubado recentemente, veja dicas da Apple e da Kaspersky sobre o que fazer para manter sua segurança e evitar cair em golpes:

  • Bloquear o aparelho tanto pelo sistema quanto pela operadora
  • Realizar o boletim de ocorrência na polícia informando o número do IMEI para que o celular seja bloqueado na Anatel
  • Informe seus contatos sobre o ocorrido para evitar que caiam em golpes de phishing
  • Peça que seus contatos deletem as mensagens recebidas com phishing
  • Não clicar em links suspeitos e muito menos introduzir informações sensíveis
  • Mantenha uma senha segura no iCloud para que o criminoso não tenha acesso a suas contas

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

UOL Entretenimento
Anderson Baltar

Anderson Baltar

Unidos da Tijuca quer voltar a ser campeã com Comissão reforçada

Uma das escolas que mais evoluíram nos últimos 20 anos no Carnaval carioca, a Unidos da Tijuca demonstra estar de volta à briga do título. Após o acidente no desfile de 2017 e de um Carnaval de entressafra em 2018, a azul e amarela trouxe como reforços para o seu barracão o diretor de Carnaval Laíla e o carnavalesco Fran Sergio. Eles se juntaram à Comissão de Carnaval formada por Annik Salmon, Hélcio Paim e Marcus Paulo, que já vinha trabalhando na agremiação desde os tempos em que o desfile era comandado por Paulo Barros.  Com a nova composição, a Comissão ganha a junção de duas filosofias que renderam campeonatos: a modernidade e leveza da Tijuca e o luxo e densidade dos desfiles da Beija-Flor. A mistura, à primeira vista inusitada, de acordo com os carnavalescos, dará certo na Sapucaí. A Tijuca, que encerrará o desfile de domingo, trará o enredo "Cada macaco no seu galho. Ó, meu Pai, me dê o pão que eu não morro de fome!", sobre toda a importância do pão no contexto histórico, religioso e social ao longo da trajetória da humanidade. Para saber mais detalhes do Carnaval da escola, conversamos com Annik, Fran Sergio, Hélcio e Marcus. Confira: Anderson Baltar: Como surgiu a ideia do enredo? Annik: A gente já tinha a vontade de fazer um enredo que tocasse as pessoas e tivesse uma mensagem emocional, de amor. Recebemos um e-mail com a sugestão de um enredo sobre o páo. Só que a proposta era de um enredo histórico. Gostamos da ideia de usar o pão como pano de fundo para o nosso enredo, mas usar para falar do momento atual do país e do mundo, da falta de amor e de companheirismo e da intolerância política e religiosa.  A Tijuca tinha uma linha de Carnavais, desde Paulo Barros. E Laíla e Fran vieram da Beija-Flor com outra proposta. Qual será o estilo de desfile? Leve e alegre que nos acostumamos ou um pouco mais clássica? Marcus: Um pouco dos dois. Tanto para nós quanto para eles é um estilo diferente de enredo. E tudo se encaixou perfeitamente.  Fran Sergio: Todos tínhamos a vontade de fazer um enredo com essa pegada. Vai se criar uma nova forma de desfile. O samba já mostra isso. É uma outra Tijuca que irá para a avenida.  Teremos alegorias humanas? Annik: Sim! Fran Sergio: Teremos a alegria e a leveza da Tijuca, mas a pompa e o luxo dos bons tempos da Beija-Flor.  Marcus: Você vai falar que não é Beija-Flor, nem Tijuca. É uma nova forma de Carnaval. Hélcio: Queríamos fazer um enredo mais humanitário e ter um grande samba. Era uma deficiência da escola. Apesar de cantarmos muito, batíamos na trave. O trabalho do Laíla aprimorou muito a qualidade dos sambas e fomos muito felizes porque tivemos uma final com quatro grandes obras. Estamos apostando no trabalho de barracão e no samba, que já foi abraçado pela comunidade. Fran Sergio: O Laíla é um grande mestre e está com sangue nos olhos, com vontade de ser campeão. E, a despeito de toda experiência,  a mente dele é mais jovem que a nossa. Annik: Quando estamos desanimados, ele vem e nos incentiva.  O que podemos saber desde já do que será mostrado na avenida? Fran Sergio: Contaremos a história do pão, não só o alimento, mas o pão material, espiritual e social. Falaremos do início do pão, das primeiras civilizações que o desenvolveram. Temos uma parte religiosa, mostrando o pão da vida. Enfocaremos a era das revoluções, surgidas por conta da falta do "pão", mostraremos a chegada do alimento ao Brasil, dos negros nos tumbeiros vindo para cá à base de pão e água. E terminamos com uma crítica social, a toda essa desigualdade e intolerância. Se cada um fizer sua parte, ou seja, cada macaco estiver no seu galho, teremos um mundo melhor.  Vivemos a pior crise financeira da história do Carnaval. No que vocês apostaram para diminuir os custos? Hélcio: O presidente pediu para não tivermos excessos e desperdício. Vamos trabalhar bastante com materiais alternativos. Fran Sergio: Tem muita palha, capim. As roupas não são muito grandes, porque queremos que a escola evolua  e cante muito. E também diminuímos um setor: ao invés de seis carros, desfilaremos com cinco. Marcus: Fizemos também um trabalho grande de pesquisa de materiais. Fomos em São Paulo procurar e conseguimos muita coisa a um preço bem mais baixo. Hélcio: O corte mais sensível na estrutura é o de uma alegoria. Temos uma ala a menos do que ano passado. Não podemos prejudicar a qualidade do espetáculo.  2018 foi um ano de transição. Para 2019, podemos considerar a Tijuca de volta pra briga, mesmo desfilando no domingo? Annik: Sem dúvida. Inclusive, a Tijuca já foi campeã desfilando no domingo.  Fran Sergio: E ainda vamos encerrar o desfile. Eu, particularmente, adoro. Ganhei alguns Carnavais na Beija-Flor nesta posição de desfile. Marcus: É o nosso objetivo.  Annik: Nos últimos anos, as escolas que trazem um grande samba têm sido campeãs. Nesse ano, além dos quesitos da Tijuca, que sempre foram fortes, temos um grande samba. Isso pode fazer a diferença. Hélcio: É fundamental agradar ao público. Se tivermos um grande samba, o público se empolgará e, certamente, influenciará os jurados.  Mesmo desfilando de dia? Marcus: O nosso último campeonato foi em 2014, com o enredo do Ayrton Senna, encerrando o desfile. Hélcio: Prefiro desfilar por último do que primeiro.  Fran Sergio: Já estamos preparando para desfilar de dia. Paleta de cores, materiais, tudo feito para brilhar com o sol. Hélcio: O nosso sonho é que o povo se empolgue com o samba e venha sambando atrás da Tijuca. Estamos trabalhando para isso. Ter um samba explodindo na Sapucaí é a melhor resposta e a maior satisfação.

Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Da Redação
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Da Redação
Estadão Conteúdo
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Topo