PUBLICIDADE
Topo

Gigante de laticínios orgânicos quer compensar mais emissões

Michael Hirtzer

03/03/2020 10h32

(Bloomberg) -- A maior empresa de laticínios orgânicos certificados do mundo não se contenta em ser neutra em carbono. A Horizon Organic, uma unidade de Danone, quer ir ainda mais longe com um plano para reduzir, capturar ou compensar mais emissões do que produz.

O objetivo da empresa é se tornar "positiva em carbono" até 2025.

O plano pode ajudar a aumentar a credibilidade verde do setor quando mais pessoas optam por leite vegetal devido a preocupações ambientais. Os bovinos emitem o metano dos gases de efeito estufa como parte do processo digestivo, e concorrentes veganos se posicionam como a alternativa ecológica ao leite de vaca. Recentemente, a Starbucks anunciou uma mudança para enfatizar opções não lácteas e reduzir sua pegada de carbono.

Diante da queda sem precedentes e prolongada da demanda por leite de vaca, o setor de laticínios aposta em todos tipos de inovações e iniciativas de marketing para reconquistar consumidores. Enquanto isso, a associação Dairy Management tem destacado práticas agrícolas e novas tecnologias que ajudaram a tornar o setor mais verde.

"Precisamos ser uma empresa mais social e ambientalmente amigável", disse Mariano Lozano, diretor-presidente da Danone North America, em entrevista por telefone. "As vacas são parte da solução, e não do problema."

A Horizon Organic reforçará as iniciativas de agricultura regenerativa com seus 600 parceiros de agricultura familiar para aumentar práticas como culturas de cobertura, lavoura reduzida e restauração de pradarias. O controle da dieta das vacas pode ajudar a reduzir emissões de metano.

Um fundo de US$ 15 milhões tem como objetivo financiar uma agricultura mais sustentável, potencialmente reduzindo o uso de insumos como fertilizantes. Terceiros, como a organização Carbon Trust, vão monitorar as iniciativas.

"Em termos de negócios, faz sentido reduzir insumos dos agricultores", disse Lozano.

Para contatar o editor responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net

Notícias