PUBLICIDADE
Topo

Movimento funk quer levar caso Paraisópolis a tribunais internacionais

do UOL

Marcelo Oliveira

Do UOL, em São Paulo

05/12/2019 22h09Atualizada em 06/12/2019 10h47

Resumo da notícia

  • Jovens mortos recebem homenagem em audiência realizada na Assembleia de SP
  • Encontro foir realizado pela deputada Erika Malunguinho (PSOL), que critica série de ataques em bailes
  • Ideia é levar mortes dos nove jovens ao Tribunal Penal Internacional, em Haia, na Holanda

Articuladores nacionais do movimento funk anunciaram hoje que pretendem denunciar as mortes de nove jovens após intervenção da Polícia Militar na favela de Paraisópolis ao Tribunal Penal Internacional, em Haia, Holanda.

As declarações foram dadas por Bruno Ramos, produtor cultural envolvido com o funk há 20 anos e articulador do Movimento Nacional do Funk, e por Renata Prado, produtora e articuladora da Frente Nacional de Mulheres do Funk, durante audiência pública realizada hoje à noite na Assembleia Legislativa de São Paulo, sobre o caso Paraisópolis.

O encontro foi organizado pela deputada Érica Malunguinho (PSOL) e que teve apoio de outras deputadas do partido, de Leci Brandão (PC do B) e da bancada do PT. Segundo Renata, a ação policial durante baile da DZ7 em Paraisópolis faz parte de uma série de ataques e assassinatos de artistas de funk e frequentadores dos bailes funk no Rio e em São Paulo desde 2010.

"A novidade dessa vez foi a morte maciça de nove jovens, mas isso não começou hoje", disse ela.

Renata lembrou que em novembro de 2018 três jovens morreram pisoteados num baile funk em Guarulhos após ser disparada uma bomba de efeito moral contra os frequentadores do baile.

Segundo ela, o ataque é racista e tem endereço certo. "Na peruada (festa de estudantes universitários em São Paulo) e no baile da Lions toca funk e nada de violência acontece. Vamos levar este caso para instâncias internacionais", disse.

Vídeo mostra correria e PM jogando bombas e Paraisópolis

UOL Notícias

'Um crime contra a humanidade'

Para Bruno Ramos, que também é estudante de sociologia e ciência política, o movimento funk representa 20 milhões de brasileiros que admiram o estilo musical.

Bruno diz que o que houve em Paraisópolis foi um crime contra a humanidade (quando agentes do Estado atacam a população civil de forma sistemática) e que o caso exige um novo pacto de segurança pública.

Na avaliação de Bruno, o funk é um ativo cultural cujo "ritmo e estética inspiram novelas e projeta a cultura brasileira como não ocorria desde a Bossa Nova".

O início da audiência pública estava previsto para as 19h, mas atrasou uma hora e 15 minutos devido ao fechamento temporário da Assembleia Legislativa por causa da votação da PEC da Previdência Estadual. Foi necessária a intervenção de deputadas para que o público que veio a audiência pudesse entrar no auditório Franco Montoro.

Notícias