PUBLICIDADE
Topo

Arthur Bernardes defende mescla entre técnicos jovens e experientes

28/02/2019 19h41

A cada resultado a discussão no futebol nacional fica mais forte. O quê é melhor? Investir em treinadores experientes ou naqueles que são chamados de "nova geração"? Profissional com larga experiência no futebol brasileiro e do exterior, Arthur Bernardes, de 63 anos, prega o equilíbrio.

Atlético Mineiro, Fluminense, Botafogo... alguns dos grandes clubes pelos quais Bernardes passou. Com experiência de causa, ele garante que existe um exagero nessa polarização. A decepção na Copa de 2014, a abertura de mercado e o fortalecimento de nomes como Felipão e Abel Braga servem para ilustrar o pensamento do técnico.

- O futebol brasileiro passou um bom período, após a Copa do Mundo de 2014, menosprezando técnicos experientes e vitoriosos do nosso futebol. Depois do 7 a 1, todos viram uma necessidade descabida por mudanças e inovações. E, muitas dessas mudanças e "inovações", foram conduzidas de maneira equivocada. Com treinadores com grande potencial sendo lançados de maneira precoce. Palmeiras com Felipão e Flamengo com Abel Braga é uma demonstração de que nem tudo estava errado. Nós, experientes, buscamos aprimoramento. Os mais novos experiência. A mescla é sempre o melhor caminho - aponta.

Na ala dos mais experientes, Arthur Bernardes aposta no aprimoramento para seguir em dia com as tendências do futebol moderno. No currículo, reúne todos os cursos para treinadores ministrados pela CBF. Sem contar o conhecimento intrínseco do que acontece dentro das quatro linhas. Bagagem que o mantém confiante para assumir grandes desafios.

- Essa questão de "ultrapassado" e "velho" é uma grande falta de conhecimento dos profissionais analisados. Hoje temos a necessidade de dividir tudo em dois lados e não conseguir enxergar um meio termo entre o novo e velho. Direita e esquerda. Eu sou um treinador que fala quatro idiomas, fiz todos os cursos até aqui da CBF... Estou sempre procurando me aperfeiçoar e me sinto muito capaz para assumir um clube brasileiro e conseguir fazer um bom trabalho.

Esporte