PUBLICIDADE
Topo

A previsibilidade ofensiva do Palmeiras

03/02/2019 00h40

Mais de 60% de posse, quase cinco vezes o número de finalizações e cruzamentos do adversário, além do dobro de passes completados. Parecem dados de um time que atropelou e goleou no fim de semana, certo? Errado. Estas são as estatísticas do Palmeiras na derrota para o Corinthians, neste sábado, por 1 a 0.

O porquê da superioridade nos números mesmo com o placar adverso se explica na análise mais detalhada do desempenho. O volume foi alto, mas a eficiência baixa. Muito baixa. Assim como a variação ofensiva.

Das 25 finalizações - dez de fora da área - do time de Felipão no Dérbi, apenas uma foi em gol - Dudu, em jogada pela direita -, enquanto que das seis da equipe comandada por Fabio Carille, quatro acertaram o alvo. Uma goleada corintiana no aproveitamento de 66% a 4%.

A questão, no entanto, não foi apenas falta de pontaria, mas a forma como as jogadas foram criadas. Ao todo, o Alviverde levantou 53 bolas para a área - o Corinthians, apenas dez -, 25 delas através de Dudu, o homem mais acionado da partida. Aliás, praticamente o único a criar algo pelo lado - literalmente - palmeirense.

Com os passes de Lucas Lima pelo meio e o um contra um de Carlos Eduardo - e depois de Felipe Pires - pouco eficientes - o reserva, que entrou no 2º tempo, foi o único a contribuir na criação com dois passes para finalização -, sobrou para o camisa 7 do Palmeiras, que iniciou pela esquerda e alterou de lado ainda no 1º tempo, comandar praticamente todas as ações ofensivas da equipe. Líder de cruzamentos, Dudu foi também o que mais teve posse (8,4%) e assistências para finalização (8). Um repertório muito simplório para um elenco recheado de grandes nomes como é o do atual campeão brasileiro.

Durante 83 minutos - fora os acréscimos -, o Palmeiras esteve atrás do placar, buscando o empate. E insistiu, até o fim, na mesma tecla: o jogo aéreo. Apesar de ter levado a melhor em alguns lances - principalmente em uma chegada de Felipe Melo, em cobrança de escanteio -, desde o início a estratégia se mostrou frágil, além de previsível. Faltou variar as ações ofensivas, explorando, talvez, triangulações pelo meio e ultrapassagens mais efetivas pela lateral, já que posse e oportunidades não faltaram.

NÚMEROS DO PALMEIRAS NO DÉRBI

- Dados do Footstats

63% de posse de bola

1 finalização em gol

24 finalizações para fora

15 cruzamentos certos

38 cruzamentos errados

466 passes certos

47 passes errados

15 desarmes certos

?

Esporte