Topo
Notícias

Quatro países europeus concordam em desenvolver em conjunto mísseis de cruzeiro de longo alcance

11/07/2024 12h09

Por Sabine Siebold e John Irish

WASHINGTON (Reuters) - França, Alemanha, Itália e Polônia assinaram nesta quinta-feira uma carta de intenções para desenvolver mísseis de cruzeiro lançados do solo com alcance superior a 500 km, com o objetivo de preencher o que eles dizem ser uma lacuna nos arsenais europeus exposta pela guerra da Rússia na Ucrânia.

Falando à margem da cúpula da Otan em Washington, após a cerimônia de assinatura, o ministro da Defesa da França, Sébastien Lecornu, disse que o novo míssil foi concebido para servir como um fator de dissuasão.

"A ideia é abri-lo da forma mais ampla possível", disse ele aos repórteres, sugerindo que o novo governo trabalhista do Reino Unido poderia participar. "Isso tem valor, inclusive em nível orçamentário, porque obviamente também permite que os vários custos sejam amortizados."

Um primeiro esboço da arma pode ser elaborado até o final do ano, disse ele, com as especificações, como o alcance, a serem definidas com mais detalhes posteriormente.

Ele estava falando um dia depois que os governos dos EUA e da Alemanha anunciaram que começariam a instalar mísseis de longo alcance dos EUA em solo alemão em 2026, incluindo o SM-6, Tomahawks e armas hipersônicas em desenvolvimento.

A instalação, condenada por Moscou como uma "ameaça muito séria" à segurança nacional russa, é vista como uma solução provisória até que a Europa tenha seus próprios mísseis de longo alcance prontos.

Os mísseis de cruzeiro com alcance de várias centenas de km tiveram um renascimento desde a invasão da Ucrânia pela Rússia em 2022, com Moscou lançando ataques transfronteiriços e Kiev revidando contra alvos em território russo.

Os estoques de mísseis de cruzeiro existentes na Europa incluem armas lançadas por caças, como o Storm Shadow do Reino Unido, o Scalp da França e o Taurus da Alemanha, com um alcance de cerca de 500 km.

MÍSSEIS QUE VOAM BAIXO

Ao contrário dos mísseis balísticos, os mísseis de cruzeiro voam baixo, o que os torna mais difíceis de serem detectados por radar.

Uma fonte militar disse que o objetivo é que o novo míssil baseado em terra tenha um alcance de 1.000 a 2.000 km para atender às demandas da Otan.

O governo francês sugeriu basear a arma em uma modificação de seu atual míssil de cruzeiro naval MdCN (Missile de Croisiere Naval), fabricado pela empresa de defesa europeia MBDA, que também produz o Taurus, o Storm Shadow e o Scalp.

A MBDA, de propriedade da franco-alemã Airbus, da britânica BAE Systems e da italiana Leonardo, vem trabalhando no desenvolvimento de uma modificação do MdCN que poderia ser disparado de lançadores de foguetes montados em caminhões.

O desenvolvimento de um míssil com alcance superior a 500 km significa que os aliados europeus da Otan reintroduzirão, de fato, uma categoria de armas proibidas pelo Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário até 2019.

O tratado INF, assinado em 1987, proibiu mísseis nucleares e convencionais lançados do solo com alcance entre 500 e 5.500 km. Ele eliminou toda uma categoria de armas.

Alemanha, Hungria, Polônia e República Tcheca também destruíram seus mísseis na década de 1990, seguidas posteriormente pela Eslováquia e pela Bulgária.

Os EUA abandonaram o Tratado INF em 2019, dizendo que Moscou estava violando o acordo, citando o desenvolvimento pela Rússia do míssil de cruzeiro lançado do solo 9M729, conhecido na Otan como SSC-8. A Rússia negou a acusação e impôs uma moratória em seu próprio desenvolvimento de mísseis anteriormente proibidos pelo Tratado INF.

O presidente russo, Vladimir Putin, disse no mês passado que Moscou deveria retomar a produção de mísseis com capacidade nuclear de alcance intermediário e mais curto depois que os EUA trouxeram mísseis semelhantes para a Europa e a Ásia.

Notícias