Topo
Notícias

Presidente do Fed celebra avanços 'modestos' nos EUA na luta contra a inflação

09/07/2024 12h52

A economia dos Estados Unidos caminha na direção certa em termos de inflação com avanços "modestos" nos últimos meses, afirmou o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, perante uma comissão do Senado. 

Em seu discurso inicial, Powell destacou que "os dados recentes da inflação mostram novos e modestos avanços" na direção certa. 

"Mais dados bons reforçariam a nossa confiança de que a inflação evolui de forma sustentável para 2%" anual, acrescentou Powell, ao lembrar a meta de inflação a longo prazo estabelecida no mandato do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA). 

A inflação atingiu o pico após a reabertura da economia global depois da pandemia de covid-19 e alcançou uma taxa anual de 9,5% em junho de 2022 na maior economia do mundo. 

Para combater o flagelo, o Fed aumentou agressivamente as taxas de juros, levando-as para um intervalo entre 5,25% e 5,50%, o seu nível mais alto desde o início do século. 

As taxas altas tornam o crédito mais caro e desencorajam o consumo e o investimento, o que modera as pressões sobre os preços. 

Desde então, a inflação moderou-se e atingiu 2,6% nos últimos meses.

Embora os mercados tenham antecipado um primeiro corte nas taxas no segundo trimestre, e até esperassem que o Fed pudesse fazer três cortes este ano, a instituição financeira preferiu agir com segurança. O seu presidente e vários membros do seu conselho de administração afirmaram que esperavam obter mais provas de que a inflação se dirige efetivamente para 2%. 

"Os dados econômicos durante o primeiro trimestre deste ano não nos permitiram agir com confiança", lembrou o presidente do Fed aos senadores. 

Esta é a segunda vez que Powell manifesta a sua confiança na evolução da inflação nos últimos meses. Ele fez comentários semelhantes em um fórum de banqueiros centrais em Sintra, Portugal, em 2 de julho.

Estes comentários reforçam a confiança do mercado na probabilidade de um primeiro corte nas taxas em reuniões futuras: mais de 75% dos analistas esperam isso para a reunião de meados de setembro, de acordo com o CME FedWatch. 

Isso significaria que o primeiro corte nas taxas ocorreria na última reunião do Fed antes das eleições presidenciais dos EUA, em 5 de novembro.

els/pta/db/mr/aa/dd

© Agence France-Presse

Notícias