Topo
Notícias

Ibovespa completa maior série de ganhos em 1 ano com ajuda de Powell

Investimentos; ações; empresas; bolsas de valores; Ibovespa; lucro; rendimentos; riqueza; dinheiro - Por Paula Arend Laier
Investimentos; ações; empresas; bolsas de valores; Ibovespa; lucro; rendimentos; riqueza; dinheiro Imagem: Por Paula Arend Laier

Paula Arend Laier;

09/07/2024 17h04

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa fechou em alta nesta terça-feira, completando sete sessões seguidas no azul, o que não acontecia há mais de um ano, endossado por declarações do chair do Federal Reserve sinalizando que um maior progresso na inflação pode levar a cortes na taxa básica de juros dos Estados Unidos ainda neste ano.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa subiu 0,44%, a 127.108,22 pontos, perto da máxima do dia. Na mínima, chegou a 125.936,61 pontos. A última vez que o Ibovespa havia fechado com sinal positivo em sete pregões consecutivos fora em junho de 2023.

O volume financeiro somou apenas 16,3 bilhões de reais, bem abaixo da média diária do ano, de 23,6 bilhões de reais, em pregão marcado por feriado em São Paulo. A B3, contudo, funcionou normalmente.

Em comentários que pareciam demonstrar uma fé crescente de que a inflação retornará à meta do Fed, Powell comparou a falta de progresso nessa frente nos primeiros meses do ano com a melhoria recente que ajudou a construir a base de confiança de que as pressões sobre os preços continuarão a diminuir.

Ao Comitê Bancário do Senado norte-americano, Powell também observou que o Fed está agora preocupado com os riscos para o mercado de trabalho e para a economia, caso as taxas permaneçam demasiado altas durante muito tempo.

Em comentário após a fala de Powell, economistas do UBS afirmaram que a visão deles é de que os membros do Comitê de Mercado Aberto (Fomc) do Federal Reserve estão divididos, com cerca de metade ou a maioria preferindo esperar até dezembro ou mais tarde para começar a flexibilizar a política monetária.

"A nossa avaliação também é que o chair Powell gostaria de obter um consenso generalizado entre os participantes para a decisão sobre o momento do primeiro corte dos juros", afirmaram, acrescentando que esperam que as comunicações e a justificação do calendário tenham de ocorrer antes do primeiro corte.

Eles afirmaram duvidar que os próximos dados de inflação, com efeitos de base de comparação profundos, impulsionem um consenso entre os membros do Fomc. E avaliam que os participantes do Fomc precisam ser convencidos considerando mais o "trade-off" com o crescimento e o mercado de trabalho.

"Powell pode estar começando a defender esse argumento de forma mais óbvia, destacando o grau de desaceleração do mercado de trabalho e colocando mais ênfase nos riscos que podem enfrentar", acrescentou a equipe do UBS.

No Brasil, o alívio na curva futura de juros também abriu espaço para o desempenho positivo de ações de empresas sensíveis à economia doméstica, em particular papéis do setor de consumo, enquanto o declínio do dólar ante o real afetou o desempenho de companhias exportadoras.

Investidores do mercado brasileiro continuam atentos às movimentações em Brasília, principalmente os trabalhos envolvendo o projeto de regulamentação da reforma tributária. Há expectativa de que a Câmara dos Deputados finalize a votação do texto esta semana.

DESTAQUES

- CVC BRASIL ON disparou 7,5%, apoiada pela queda do dólar ante o real e alívio nas taxas dos DI, que também beneficiou papéis como PETZ ON, que terminou o dia em alta de 5,08%, e MAGAZINE LUIZA ON, que avançou 4,81%. O índice do setor de consumo da B3 subiu 0,71%.

- EMBRAER ON valorizou-se 5,9%, tendo no radar relatório de analistas do Citi citando encontro com executivos da companhia, no qual eles mostraram uma avaliação otimista da capacidade da empresa de continuar a cumprir suas metas operacionais e de entrega. Em outra frente, o ministro da Defesa do Uruguai disse que o país está em "conversas bastante avançadas" para comprar seis aeronaves modelo Super Tucano da Embraer.

- BRF ON caiu 2,77%, com o setor como um todo no vermelho em meio ao declínio do dólar, mas também receio sobre o desfecho das negociações envolvendo isenção de proteína animal no âmbito da reforma tributária. O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, sugeriu nesta terça-feira ampliar cashback sobre carne em vez de isentar o produto. MINERVA ON cedeu 1,89%, MARFRIG ON perdeu 1,89% e JBS ON recuou 0,87%.

- BTG PACTUAL UNIT fechou em baixa de 1,27%, respondendo pelo pior desempenho entre os bancos do Ibovespa, em dia de desempenho misto no setor. BANCO DO BRASIL ON cedeu 0,34%, enquanto ITAÚ UNIBANCO PN SANTANDER BRASIL UNIT subiram 0,7% e 0,75%, respectivamente, e BRADESCO PN encerrou estável.

- PETROBRAS PN terminou com variação negativa de 0,03%, conforme o petróleo acentuou a perda na sessão, com o barril de Brent fechando em queda de 1,27%. A presidente da estatal, Magda Chambriard, afirmou nesta terça-feira que a companhia quer ampliar investimentos no setor de gás natural na Bolívia. Mas destacou que tais aportes precisam ser capazes de expandir a oferta ao Brasil com preços competitivos.

- VALE ON recuou 0,13%, acompanhando a fraqueza dos futuros do minério de ferro na China, onde o contrato mais negociado na Dalian Commodity Exchange encerrou o dia em baixa de 0,5%.

Notícias