Topo
Notícias

'A outra Marine': quem é a ecologista de esquerda que faz oposição a Le Pen

Marine Tondelier é deputada e se tornou um pilar da esquerda para conquistar o voto rural na França - Abdul Saboor/Reuters
Marine Tondelier é deputada e se tornou um pilar da esquerda para conquistar o voto rural na França Imagem: Abdul Saboor/Reuters

09/07/2024 13h29

Na terça-feira (9), a coligação de esquerda, que saiu vitoriosa nas eleições legislativas da França, mesmo sem maioria absoluta, reivindicou o direito de aplicar seu programa de ruptura política, mesmo que isso signifique forjar alianças parlamentares em uma base específica, enquanto aguarda a designação de um(a) líder para chefiar o governo. Um dos nomes cogitados é o da deputada ecologista Marine Tondelier, que se tornou um pilar da esquerda para conquistar o voto rural na França.

Na terça-feira (9), a coligação de esquerda que saiu vitoriosa na França reivindicou o direito de aplicar seu programa de ruptura política, mesmo que isso signifique forjar alianças parlamentares em uma base específica, enquanto aguarda a designação de um (a) líder para chefiar o governo. Um dos nomes cogitados é o da deputada ecologista Marine Tondelier, que se tornou um pilar da esquerda para conquistar o voto rural na França.

De acordo com os líderes da Nova Frente Popular (NFP), mesmo que eles não tenham uma maioria relativa suficiente para governar sozinhos, eles saíram "na frente" nas eleições. Portanto, Emmanuel Macron não teria outra escolha a não ser convocar um primeiro-ministro saído de suas fileiras — eles se comprometeram a fornecer um nome nos próximos dias — e esse primeiro-ministro formaria um governo de esquerda.

Mas, por enquanto, o presidente não está respondendo aos apelos da coligação vencedora. No domingo à noite, Macron indicou que queria esperar até que a nova Assembleia fosse "estruturada". Um dos novos nomes surgidos justamente durante os debates da campanha das eleições legislativas na França foi o de Marine Tondelier, conhecida por seus partidários como "a outra Marine".

A secretária-geral do partido ecologista francês ganhou visibilidade durante a campanha eleitoral legislativa após a dissolução da Assembleia Nacional em 9 de junho pelo presidente francês, Emmanuel Macron.

Quem é Marine Tondelier

Desde que se envolveu com a política, a ambientalista Marine Tondelier, de 37 anos, optou por enfrentar o partido de extrema direita, o Reunião Nacional, (RN, ex-Frente Nacional) de Marine Le Pen em seu próprio reduto: a bacia de mineração do norte da França, onde o eleitorado empobrecido pela desindustrialização e pela negligência do Estado vem se inclinando ano após ano para a extrema direita.

Natural da região de Pas de Calais, no norte do país, Tondelier cresceu em Hénin-Beaumont, onde é conselheira municipal da oposição desde 2014, e cujo prefeito, Steeve Briois, é do Reunião Nacional de Le Pen. Em 2024, Marine Tondelier concorreu como candidata suplente a deputada por esse distrito eleitoral, sabendo que tinha poucas chances de vencer Marine Le Pen. A líder da extrema direita foi triunfalmente reeleita com 58% dos votos no primeiro turno.

Sou membro da oposição ao RN em Hénin-Beaumont há 10 anos. Conheço seus valores e seus métodos repugnantes. E aprendi três coisas: nunca abaixe a cabeça, nunca abaixe os olhos, nunca desista!

Tondelier travou essa batalha frontal contra o RN em seu próprio território com um estilo direto e intransigente que lhe deu maior exposição na mídia. "Sou membro da oposição ao RN em Hénin-Beaumont há 10 anos. Conheço seus valores e seus métodos repugnantes. E aprendi três coisas: nunca abaixe a cabeça, nunca abaixe os olhos, nunca desista!", declarou ele em um comício no final de junho.

Em 2017, ele publicou News from the Front, um livro no qual denuncia ameaças e intimidações feitas pelo prefeito Steeve Briois, contra a imprensa e a oposição local.

Pilar da Nova Frente Popular

Sua eleição à frente do partido ecologista, em 2022, faz parte de uma estratégia dos ecologistas franceses para ampliar sua base eleitoral: esse partido, que consolidou sua posição entre o eleitorado jovem e conquistou o voto urbano e privilegiado, mais sensível à urgência ecológica, até agora não conseguiu se tornar um partido popular. É exatamente o oposto do partido de extrema direita Reunião Nacional (RN) que, eleição após eleição, conquista os votos da França rural e marginalizada.

Formada em estudos de saúde pública, Tondelier trabalhou como assistente parlamentar na Câmara dos Deputados e no Senado da França antes de se tornar o rosto da ecologia nas eleições legislativas de junho de 2024, após a dissolução surpresa da Assembleia Nacional.

A ecologista conseguiu deixar para trás o fracasso retumbante de seu partido nas eleições europeias (5,5%, nacionalmente) e defendeu a unidade da esquerda. Ela se tornou uma peça-chave na união do Partido Socialista Francês, do Partido Comunista e da esquerda mais radical do França Insubmissa (LFI).

As quatro legendas conseguiram selar um acordo de unidade política em tempo recorde e ganhar uma maioria relativa de assentos nas eleições legislativas contra todas as probabilidades.

Entre os dois turnos, Tondelier defendeu a "frente republicana", um pacto entre o partido governista e a oposição de esquerda para remover o candidato com menos votos no segundo turno e, assim, impedir a todo custo a vitória de candidatos de extrema direita.

Com seu emblemático blazer verde, sua retórica ofensiva contra o RN de Marine Le Pen e sua liderança, a ecologista encarna a nova esperança dos Verdes franceses de conciliar a transição ecológica com as preocupações sociais e econômicas dos franceses. Isso é completamente o oposto da linha de extrema direita de vários partidos políticos franceses, que estão estimulando uma ecologia "punitiva".

Seu nome está entre os possíveis candidatos ao cargo de primeiro-ministro que o bloco de esquerda apresentará ao parlamento francês, após as eleições legislativas de 7 de julho.

Notícias