Topo
Notícias

Conteúdo publicado há
15 dias

Trump tenta excluir provas apreendidas em sua casa na Flórida de processo

Foto em denúncia contra o ex-presidente dos EUA Donald Trump mostra caixas de documentos armazenadas em banheiro em Mar-a-Lago - Departamento de Justiça dos EUA
Foto em denúncia contra o ex-presidente dos EUA Donald Trump mostra caixas de documentos armazenadas em banheiro em Mar-a-Lago Imagem: Departamento de Justiça dos EUA

Andrew Goudsward;

25/06/2024 08h52Atualizada em 25/06/2024 09h35

Os advogados de Donald Trump devem pedir a uma juíza nesta terça-feira que impeça os promotores de usarem evidências essenciais para o processo criminal que acusa o ex-presidente dos Estados Unidos de manter ilegalmente documentos confidenciais após deixar o cargo.

Espera-se que os advogados de Trump, o candidato do Partido Republicano à Presidência dos Estados Unidos, peçam à juíza distrital Aileen Cannon que suprima as provas apreendidas durante uma busca do FBI na casa e resort de Trump em Mar-a-Lago, em agosto de 2022, e outras coletadas de seu antigo advogado.

As provas são fundamentais para o caso apresentado pelo procurador Jack Smith, e Trump enfrenta obstáculos legais para excluí-las. Mas Cannon, que foi nomeada para o cargo por Trump, decidiu a seu favor em uma contestação anterior sobre a busca do FBI.

Os advogados de Trump têm argumentado que o mandado de busca de Mar-a-Lago violou a Constituição dos EUA porque forneceu aos agentes uma autoridade excessivamente ampla para vasculhar a propriedade e apreender possíveis provas.

Eles também argumentam que os promotores não relataram informações úteis para a defesa de Trump.

A busca revelou cerca de 100 documentos confidenciais escondidos na propriedade, levando a acusações de que Trump reteve informações confidenciais de segurança nacional quando deixou a Casa Branca em 2021.

Trump se declarou inocente de 40 acusações criminais e seus advogados têm montado uma enxurrada de desafios legais que tem adiado indefinidamente o julgamento do caso. É improvável que o processo chegue a um júri antes de Trump enfrentar o presidente Joe Biden na eleição de 5 de novembro.

Os promotores têm defendido a busca como apropriada e necessária. A operação ocorreu depois que os promotores souberam que Trump havia deliberadamente frustrado uma exigência legal de devolver quaisquer documentos confidenciais que permanecessem em Mar-a-Lago, de acordo com a acusação.

A audiência desta terça-feira concluirá três dias de argumentos perante Cannon sobre as contestações de Trump ao caso. Os advogados do ex-presidente argumentaram na sexta-feira e na segunda-feira que Smith foi nomeado ilegalmente e que sua investigação foi financiada indevidamente.

Notícias