Topo
Notícias

Minério de ferro atinge mínima de 2 meses e meio com fraca demanda por aço e dólar mais firme

24/06/2024 08h12

Por Amy Lv e Mei Mei Chu

PEQUIM (Reuters) - Os preços dos contratos futuros de minério de ferro ampliaram as perdas nesta segunda-feira, atingindo mínimas de mais de dois meses, puxados para baixo por sinais de fraco consumo de aço na China, principal mercado consumidor de minério, e por um dólar norte-americano mais forte.

O contrato de setembro do minério de ferro mais negociado na Bolsa de Mercadorias de Dalian (DCE) da China encerrou as negociações do dia com queda de 3,11%, a 795,5 iuanes (109,55 dólares) a tonelada, seu nível mais baixo desde 9 de abril.

O minério de ferro de referência para julho na Bolsa de Cingapura caiu 2,33%, para 102,55 dólares a tonelada, o menor valor desde 8 de abril.

Muitas regiões foram atingidas por altas temperaturas e fortes chuvas, resultando na suspensão temporária das atividades em alguns canteiros de obras, disseram analistas da Everbright Futures, acrescentando que a demanda por aço permaneceu fraca, arrastando para baixo os preços do minério de ferro.

"Os otimistas em relação ao minério de ferro têm se mantido obstinadamente esperançosos, em vão, por qualquer outra medida que possa apoiar o setor imobiliário em ruínas da China como o último bastião de esperança para qualquer recuperação potencial da atividade de construção", disse Atilla Widnell, diretor administrativo da Navigate Commodities.

"Infelizmente, todas as vias e métricas estão levando a uma forte contração na atividade do setor para 2024. Além disso, as iminentes liquidações de incorporadoras imobiliárias domésticas e ordens de encerramento agora apresentam obstáculos anteriormente inimagináveis para o consumo local de aço na construção".

Um dólar norte-americano mais firme pesou sobre as commodities em geral, incluindo minério de ferro e aço, disseram os analistas, já que isso torna as commodities denominadas em dólar menos atraentes para os detentores de outras moedas.

"Não achamos que haverá muito espaço para uma queda maior no preço do vergalhão, já que ele tem estado bem próximo do custo de produção com base no custo de energia do vale e não há grande resistência nos fundamentos", disse Cheng Peng, analista da Sinosteel Futures, com sede em Pequim.

(Reportagem de Amy Lv e Mei Mei Chu)

Notícias