Topo
Notícias

México e EUA firmam acordo para oferecer segurança a inspetores de abacate

24/06/2024 18h37

México e Estados Unidos chegaram a um acordo para incrementar a segurança de inspetores agrícolas americanos, após um incidente que envolveu dois funcionários encarregados de certificar as exportações de abacate e manga, informaram autoridades dos dois países nesta segunda-feira (24).

"O plano do governo mexicano, trabalhando de mãos dadas conosco, é garantir que cada um dos funcionários tenha segurança para que possa fazer seu trabalho", disse à imprensa o embaixador americano no México, Ken Salazar, durante visita ao estado de Michoacán (oeste), onde se produz 73% do abacate para exportação.

Em 14 de junho, dois supervisores sanitários do Departamento de Agricultura americano (USDA, na sigla em inglês) ficaram bloqueados momentaneamente no meio de um protesto de policiais por reivindicações salariais na localidade de Paracho.

O governo americano tachou o incidente de "agressão" e suspendeu as inspeções de abacate e manga, um dos passos prévios para sua exportação.

Salazar, que se reuniu nesta segunda-feira com autoridades locais e federais em Morelia, capital de Michoacán, anunciou na sexta-feira a retomada gradual desses trabalhos.

O México, maior produtor mundial de abacate, exportou aos Estados Unidos 1,4 milhão de toneladas dessa fruta em 2023, um aumento de 15% em relação a 2022, o que consolidou esse país como seu principal cliente, segundo números do USDA.

Há dois anos, Washington interrompeu as compras de abacate depois que um de seus agentes agrícolas foi ameaçado em Michoacán, região no litoral do Pacífico onde operam gangues dedicadas ao narcotráfico e à extorsão.

O presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador criticou nesta segunda a suspensão dos controles sanitários, assinalando que as medidas unilaterais estabelecem um "mau precedente".

"Pedimos ao governo dos Estados Unidos, primeiro que não atuassem de forma unilateral. Temos relações, estamos trabalhando de maneira conjunta e não é essa a maneira. Para que tanta prepotência?", questionou.

Segundo o embaixador, o acordo prevê que quando ocorram incidentes de segurança se estabeleça uma comunicação imediata e que se trabalhe para detectar alguma ameaça à integridade dos supervisores.

sem/axm/atm/rpr/ic

© Agence France-Presse

Notícias