Topo
Notícias

Argentina entra em recessão técnica e perdas de empregos crescem com Milei

24/06/2024 20h12

Por Hernan Nessi e Aida Pelaez-Fernandez

BUENOS AIRES (Reuters) - A Argentina entrou em uma recessão técnica no primeiro trimestre do ano, mostraram dados oficiais nesta segunda-feira, e a perda de empregos aumentou, em meio a uma dura política de austeridade do presidente libertário Javier Milei, que está priorizando a restauração da ordem fiscal.

O Produto Interno Bruto argentino caiu 2,6% no primeiro trimestre do ano, em comparação ao último trimestre de 2023, a segunda contração consecutiva trimestre a trimestre, a definição habitual de recessão.

O trimestre marca o primeiro período completo com Milei, que assumiu o poder em dezembro após ganhar uma eleição surpreendente no ano passado, na qual fez campanha com uma motosserra para ilustrar os seus planos de cortar gastos e acabar com o déficit orçamentário.

A agência de estatísticas oficial Indec também divulgou dados sobre o mercado de trabalho, que mostraram que a taxa de desemprego chegou a 7,7% no primeiro trimestre, ante 5,7% no fim do ano passado, Isso significa aproximadamente 300.000 novas pessoas desempregadas desde o trimestre anterior.

A inflação de três dígitos e a recessão atingiram os consumidores com força e prejudicaram as vendas de produtos, enquanto os cortes de gastos de Milei paralisaram projetos estatais de infraestrutura e provocaram grandes perdas de postos de trabalho em setores como a construção.

Milei, um economista e ex-comentarista, tem argumentado que o país precisa colocar as finanças em ordem após anos de déficits fiscais que levaram a calotes regulares da dívida soberana e feriram a reputação do país com investidores globais.

Desde que assumiu o poder, ele tem estimulado os mercados com um foco firme no superávit fiscal, o que, por enquanto, ele conseguiu produzir. Títulos e ações tiveram uma forte recuperação, mas a economia foi atingida, com o crescimento da pobreza e da falta de moradia.

Ele argumenta que um remédio fiscal duro é necessário e que a economia começará a dar a volta por cima.

Dados do Indec mostraram que, na comparação ano a ano, a economia caiu 5,1% no primeiro trimestre, enquanto analistas previam uma contração de 5,25%.

O consumo privado caiu 6,7% em termos anuais no trimestre, e o consumo público recuou 5%, segundo os dados. As importações despencaram 20,1%, mas as exportações subiram 26,1%.

(Reportagem de Aida Pelaez-Fernandez e Hernan Nessi)

Notícias