Topo
Notícias

Conteúdo publicado há
15 dias

Otan está discutindo colocar mais armas nucleares em prontidão, diz Stoltenberg

18.jan.2023 - O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, durante a reunião anual do Fórum Econômico Mundial (WEF) em Davos, na Suíça - 18.jan.2023 - Fabrice Coffrini/AFP
18.jan.2023 - O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, durante a reunião anual do Fórum Econômico Mundial (WEF) em Davos, na Suíça Imagem: 18.jan.2023 - Fabrice Coffrini/AFP

Kate Holton;

17/06/2024 08h48Atualizada em 17/06/2024 09h15

A aliança militar ocidental Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) está em discussões para implantar mais armas nucleares, retirando-as de armazenamentos e colocando-as em prontidão, em face da crescente ameaça da Rússia e da China, disse o secretário-geral da aliança nesta segunda-feira.

Jens Stoltenberg disse ao jornal britânico Telegraph que há consultas em andamento entre os membros para usar a transparência em torno de seu arsenal nuclear como um elemento dissuasório.

"Não entrarei em detalhes operacionais sobre quantas ogivas nucleares devem estar em operação e quais devem ser armazenadas, mas precisamos fazer consultas sobre essas questões. É exatamente isso que estamos fazendo", disse ele ao jornal.

"A transparência ajuda a transmitir a mensagem direta de que nós, é claro, somos uma aliança nuclear."

"O objetivo da Otan é, obviamente, um mundo sem armas nucleares, mas enquanto existirem armas nucleares, continuaremos sendo uma aliança nuclear, porque um mundo onde Rússia, China e Coreia do Norte têm armas nucleares, e a Otan não, é um mundo mais perigoso."

Stoltenberg disse na semana passada que as armas nucleares são a "garantia máxima de segurança" da Otan e um meio de preservar a paz.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, tem advertido repetidamente que Moscou pode usar armas nucleares para se defender em circunstâncias extremas. Ele acusa os Estados Unidos e seus aliados europeus de empurrar o mundo para a beira de um confronto nuclear ao dar à Ucrânia bilhões de dólares em armas, algumas das quais estão sendo usadas contra o território russo.

A Otan, que tem assumido um papel mais importante na coordenação do fornecimento de armas a Kiev, raramente fala sobre armas publicamente, embora se saiba que os EUA instalaram bombas nucleares em vários locais da Europa.

Notícias