Topo
Notícias

"Não penso muito nisso", garante Eriksen sobre parada cardíaca que sofreu em 2021

15/06/2024 17h01

O meia dinamarquês Christian Eriksen voltará a disputar uma partida da Eurocopa no domingo (15), três anos depois de sofrer uma parada cardíaca na estreia da seleção nórdica no torneio de 2021, momento que não tira o sono do jogador do Manchester United: "Não penso muito nisso", garantiu ele neste sábado. 

No dia 12 de junho de 2021, no Estádio Parken, em Copenhague, Eriksen sofreu uma parada cardíaca no início da partida em que a Dinamarca perdeu por 1 a 0 para a Filnandia. 

A rápida intervenção dos serviços médicos, que reanimaram o jogador diante dos olhares aterrorizados de todos os presentes no estádio, e a posterior implantação de um desfibrilador, permitiram a Eriksen continuar a sua carreira nove meses depois. 

O camisa 10 integrou o elenco da seleção dinamarquesa que disputou a Copa do Mundo de 2022 e, aos 32 anos, continua fazendo parte dos planos do técnico Kasper Hjulmand. 

"Pessoalmente, qualquer coisa que seja mais do que um jogo já é uma melhoria e o meu principal objetivo era recuperar este nível", disse aos jornalistas na véspera da estreia dinamarquesa contra a Eslovênia.

"Já se passaram três anos e muita coisa aconteceu desde então, mas honestamente não penso muito nisso", acrescentou. 

"Só quero jogar futebol e pensar em coisas positivas", reiterou. 

Esse incidente aproximou a equipe e, apesar da derrota inicial diante da vizinha Finlândia, a Dinamarca chegou às semifinais na última Eurocopa, perdendo nessa ocasião para a Inglaterra por 2 a 1 na prorrogação.

A Dinamarca voltará a enfrentar a Inglaterra no grupo C da Euro, que é completado pela Sérvia.

"Acho que são ótimas recordações, embora claro que tudo tenha começado de uma forma muito negativa e pessimista, mas depois tudo melhorou", explicou Eriksen, que já defendeu a sua seleção em 130 ocasiões. 

"Mas tudo isso já ficou para trás e agora vamos focar nos jogos" na Alemanha, concluiu o meio-campista.

mw/mcd/ol/aam

© Agence France-Presse

Notícias