Topo
Notícias

Dos 53 milagres que canonizaram Santo Antônio, nenhum foi sobre casamento

No Brasil, Santo Antônio é mais famoso como casamenteiro   - Getty Images
No Brasil, Santo Antônio é mais famoso como casamenteiro Imagem: Getty Images
do UOL

Do UOL, em São Paulo*

13/06/2024 04h00

Conhecido como casamenteiro, Santo Antônio é popular nas terras lusitanas e brasileiras, cercado por tradições populares, folclore e simpatias. A morte foi em 13 de junho de 1231 —dia em que recebe homenagens.

Nas igrejas católicas, o santo inspira as trezenas, que consistem em treze noites de orações realizadas por inúmeros devotos, do dia 1º ao dia 13 de junho.

Para a historiografia, Santo Antônio foi uma figura notável de seu tempo. Como frade, ele viajou por grande parte da Europa do século 13 e ajudou a consolidar o papel dos franciscanos.

Como virou o 'casamenteiro'

O documento que serviu para justificar a canonização do santo reuniu 53 milagres atribuídos à sua intercessão, porém, nenhum deles estava relacionado a casamentos.

A maioria dos milagres dizia respeito a problemas de saúde, desde paralisias até curas de surdez, incluindo a história de uma menina que teria morrido afogada e voltado à vida.

Hagiografias, que são biografias de santos ou beatos, apresentam duas histórias que justificam a fama de Santo Antônio como casamenteiro.

A primeira relata que, durante sua vida, ele foi um forte opositor dos casamentos arranjados por interesse entre famílias, lutando contra a mercantilização do sacramento do matrimônio. Ele defendia que os casais deveriam se unir por amor.

A segunda história, com traços de lenda, relata que Antônio teria desviado doações destinadas à igreja para ajudar uma jovem a conseguir o dinheiro necessário para o dote de seu casamento.

Um dos primeiros milagres atribuídos a ele foi a história de uma jovem sem dinheiro para casar. Ela rezou para Santo Antônio, e uma estátua dele teria dado a ela um bilhete no qual estava escrito para levar o recado a um comerciante da cidade, que lhe daria, em moedas de prata, o peso do papel.
Leandro Faria de Souza, doutor em ciência da religião pela PUC-SP

E a relação com a festa junina?

Quanto à festa junina, de acordo com historiadores, a tradição surgiu na Europa durante o século 14 e foi trazida para o Brasil pelos portugueses, sendo adaptada com elementos da cultura negra e indígena. Esses elementos incluem o boi bumbá, o uso da mandioca na culinária típica e algumas danças.

A tradição das fogueiras também foi trazida da Europa e representa a celebração do nascimento de João, filho de Isabel, prima de Maria. Os fogos de artifício simbolizam, para alguns, o despertar de João, enquanto em Portugal, o uso de bombas e rojões serve para afastar os maus espíritos.

A festa em homenagem a Santo Antônio ocorre no dia 13 de junho, seguida pela festa de São João em 24 de junho, dia de seu nascimento. Além das celebrações católicas, as festas juninas são marcadas por fogueiras, fogos de artifício, música de forró e a oferta de comidas e bebidas típicas, como bolos, doces, licores, milho cozido e assado na fogueira, canjica e quentão.

São Pedro é homenageado por último, no dia 29 de junho, supostamente o dia de seu falecimento. As celebrações dos três santos são particularmente populares no interior dos estados do Nordeste brasileiro.

Pádua ou Lisboa? Entenda a disputa

Outras curiosidades sobre Santo Antônio incluem sua disputa entre duas cidades de países diferentes: Lisboa, em Portugal, e Pádua, na Itália. Ele é conhecido como Santo Antônio de Lisboa e Santo Antônio de Pádua. A tradição católica afirma que ele nasceu em 15 de agosto de 1195 como Fernando de Bulhões, mas há relatos de que ele possa ter nascido um pouco antes, em 1188.

Ele pertencia a uma família abastada, mas renunciou à riqueza e mudou de nome ao ingressar na Ordem dos Cônegos Regrantes de Santo Agostinho. Após sua passagem por Portugal, ele partiu para Marrocos, onde realizou trabalho missionário, mas sua saúde não se adaptou ao clima africano. Ele retornou à Europa quando adoeceu, estabelecendo-se na Itália. Lá, ele demonstrou grande talento para a oratória, e seus sermões impressionaram tanto os intelectuais quanto as pessoas comuns.

Santo Antônio possui o recorde de canonização mais rápida na história da Igreja Católica, apenas 11 meses após sua morte. Embora existam relatos de que ele tenha realizado milagres ainda em vida, o motivo de sua canonização rápida foi a sua fama de santidade. Ele foi reconhecido como um dos grandes teólogos da história da Igreja Católica e recebeu o título de doutor da Igreja em 1946, pelo Papa Pio XII.

* Com informações de conteúdo publicado em 13/06/2022.

Notícias