Topo
Notícias

Conteúdo publicado há
1 mês

Pastor Silas Malafaia, organizador do ato de Bolsonaro no Rio, recebe condecoração militar

Silas Malafaia e Jair Bolsonaro em ato realizado na avenida Paulista, em São Paulo - Reprodução/X/pastormalafaia
Silas Malafaia e Jair Bolsonaro em ato realizado na avenida Paulista, em São Paulo Imagem: Reprodução/X/pastormalafaia

Brasília

19/04/2024 20h00Atualizada em 19/04/2024 20h13

O pastor evangélico Silas Malafaia, um dos organizadores do ato convocado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) para o domingo, 21, no Rio, foi condecorado com a mais alta honraria dada pelo Superior Tribunal Militar (STM) no último dia 10 de abril. Ao lado de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o pastor foi homenageado por "reconhecidos serviços e apreço" à Justiça Militar.

Malafaia, que preside a Igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo, recebeu a Ordem do Mérito Judiciário Militar. O grau recebido pelo pastor foi o "Distinção" que, segundo um regulamento da Justiça Militar sobre o prêmio, datado de 2020, é concedido a pessoas que prestam "reconhecidos serviços" ou demonstram "excepcional apreço à Justiça Militar da União". O Estadão procurou o STM para mais informações sobre a justificativa da honraria, mas não obteve retorno até a publicação deste texto.

Além do pastor evangélico, foram agraciados com a Ordem do Mérito Judiciário Militar o ministro do STF indicado por Lula, Cristiano Zanin, o procurador-geral da República, Paulo Gonet, o ministro da Advocacia-Geral da União (AGU), Jorge Messias, a senadora Damares Alves (Republicanos-DF), o ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho e o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto.

Próximo de Bolsonaro, Malafaia foi o organizador e o financiador da manifestação que reuniu milhares de apoiadores do ex-presidente na Avenida Paulista, em fevereiro. O pastor está à frente da nova manifestação convocada pelo ex-chefe do Executivo, marcado para este domingo, 21, na Praia de Copacabana.

Na Paulista, Malafaia fez um discurso inflamado com ataques ao STF. Ao lado de Bolsonaro no trio elétrico pago pela igreja Vitória em Cristo, o pastor declarou aos manifestantes que, se a Corte ordenar a prisão do ex-presdiente, será "será para a destruição deles".

Em uma entrevista concedida para uma rádio nesta quinta-feira, 18, Malafaia disse que o discurso em São Paulo será "água com açúcar" comparado com o que ele fará no ato em Copacabana. "O que eu vou falar nesse dia 21 de abril não vai ser brinquedo não. Eu vou botar para quebrar", afirmou.

O pastor disse que não vai cometer calúnia, difamação ou injúria, mas será "duríssimo com o que está acontecendo". O objetivo, segundo Malafaia, é "desnudar" o que chamou de "safadeza que está acontecendo no País".

Assim como na manifestação de fevereiro, o ato em Copacabana foi organizado para que Bolsonaro se defenda de investigações da Polícia Federal (PF) em que ele é alvo. Os policiais apuram a participação do ex-presidente em uma suposta tentativa de um golpe de Estado após as eleições de 2022, na venda ilegal de joias da Presidência da República no exterior, caso esse revelado pelo Estadão, e a espionagem de ministros do STF e opositores por uma "Abin paralela".

O ato no Rio, porém, contará com um novo elemento. Bolsonaro e os seus aliados devem citar em seus discursos as críticas do empresário Elon Musk ao ministro do STF Alexandre de Moraes. Em um vídeo publicado nesta quinta, 18, onde pediu que apoiadores não levassem faixas contra a Corte, o ex-presidente disse que o mundo viu que o País está "perto de uma ditadura".

A manifestação convocada por Bolsonaro já tem a presença confirmada de familiares, parlamentares e governadores aliados do ex-chefe do Executivo. Entre os políticos que estarão em Copacabana, estão os governadores do Rio e de São Paulo, Cláudio Castro (PL) e Tarcísio de Freitas (Republicanos). O evento também servirá como estratégia para impulsionar a pré-candidatura do deputado federal Alexandre Ramagem (PL-RJ) à Prefeitura do Rio.

Notícias