PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Cientistas da UFRJ batizam espécie de vagalume com nome de estudante morto

Alex Schomaker Bastos foi morto em um assalto em 2015 - Reprodução/Facebook
Alex Schomaker Bastos foi morto em um assalto em 2015 Imagem: Reprodução/Facebook
do UOL

Do UOL, em São Paulo

06/08/2022 16h10

O estudante de biologia Alex Schomaker Bastos, morto em um assalto em frente ao campus da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) na Praia Vermelha, em 2015, ganhou uma homenagem de colegas da instituição, que batizaram uma nova espécie de vagalume descoberta no estado com o nome dele.

Doutoranda do PPGE (Programa de Pós-Graduação em Ecologia) na UFRJ, Stephanie Vaz disse que há muito tempo gostaria de homenagear Alex.

"Além de grande amigo e cientista brilhante, seu apoio foi fundamental para meu retorno aos estudos de entomologia, em 2013. Alex sempre estará em meus agradecimentos. E agora é também um vagalume", disse ela, em nota publicada no site da instituição.

O trabalho foi publicado na revista científica ZooKeys. Nele, três espécies novas de vagalumes da Mata Atlântica são descritas. Uma delas é Amydetes alexi — a letra "i' foi adicionada ao nome do amigo para seguir o código nomenclatura zoológica para publicações (homenagens do gênero masculino)", explicou Stephanie.

Espécie de vagalume foi batizada em homenagem a estudante da UFRJ morto em assalto - Reprodução/PPGE UFRJ - Reprodução/PPGE UFRJ
Espécie de vagalume foi batizada em homenagem a Alex
Imagem: Reprodução/PPGE UFRJ

Além dela, Lucas Campello, André Diniz, José Ricardo Mermudes e Luiz Silveira são os autores do trabalho.

Em sua conta no Facebook, a mãe de Alex, Mausy, disse que não poderia imaginar uma homenagem melhor para o filho. "Uma saudade sem tamanho e uma tristeza sem fim me acompanham todos os dias. Mas um imenso orgulho também", escreveu ela.

Relembre o caso

Alex levou pelo menos cinco tiros no dia 8 de janeiro de 2015, ao supostamente reagir a um assalto, no ponto de ônibus em frente ao campus da Praia Vermelha, em Botafogo, na zona sul do Rio.

O jovem de 23 anos chegou a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos e morreu. Ele se formaria dias depois.

Em junho de 2016, a Justiça do Rio condenou a 28 anos de prisão os assassinos do estudante.

* Com informações do Estadão Conteúdo e Agência Brasil

Cotidiano