PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Banco de questões do Enem tem menos de 200 itens, diz jornal

Edital para a formulação de novas questões para o Enem foi aberto em 2020, mas processo é longo - ADAILTON DAMASCENO/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Edital para a formulação de novas questões para o Enem foi aberto em 2020, mas processo é longo Imagem: ADAILTON DAMASCENO/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
do UOL

Do UOL, em São Paulo

23/11/2021 14h34

Sem sofrer atualização desde 2019, o banco de questões do Enem (Exame Nacional de Ensino Médio) tem atualmente menos de 200 itens, publica hoje o jornal O Estado de S. Paulo.

A quantidade é considerada ínfima, uma vez que cada edição do exame tem 180 questões, sendo que ainda é necessária a formulação de uma segunda prova para eventual replicação.

Segundo o jornal O Globo, que também publica uma matéria sobre a escassez no BNI (Banco Nacional de Itens), não há questões disponíveis suficientes para a formulação do exame de 2022.

O jornal diz que um edital para a formulação de novas questões foi aberto em 2020, com os professores tendo encerrado recentemente o curso de capacitação. Porém, servidores alertam que o prazo é apertado, uma vez que o processo de formulação é complexo e pode demorar.

A falta de novas questões no banco de itens é refletida, segundo especialistas, na ausência de temas recentes nas últimas provas. A pandemia do novo coronavírus, por exemplo, não foi abordada nos exames de 2020 e 2021.

"A cara do Governo"

A necessidade de formulação de novas questões ocorre em um momento em que Bolsonaro tem repetido que o Enem "está mudando" e ficando "com a cara do Governo". Porém, na prática, as provas sob gestão do atual presidente ainda replicaram questões elaboradas em outras gestões.

Segundo O Estado de S. Paulo, contribui para a escassez no banco de itens o corte de perguntas promovido por integrantes do governo. Neste ano, por exemplo, a jornal publicou que 24 perguntas chegaram a ser removidas por terem assuntos sensíveis na visão de dirigentes do Inep. Porém, 13 retornaram para evitar descalibragem das provas.

Notícias