PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Covid-19: China confina cidade de 4 milhões de habitantes a cem dias das Olimpíadas de inverno

26/10/2021 11h10

As autoridades chinesas anunciaram nesta terça-feira (26) um lockdown na cidade Lanzhou, na região noroeste do país. Cerca de quatro milhões de habitantes serão confinados para conter um foco de Covid-19 a 100 dias do início dos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim-2022.

As autoridades chinesas anunciaram nesta terça-feira (26) um lockdown na cidade Lanzhou, na região noroeste do país. Cerca de quatro milhões de habitantes serão confinados para conter um foco de Covid-19 a 100 dias do início dos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim-2022.

"Todos os bairros residenciais devem permanecer fechados e os deslocamentos serão estritamente controlados", anunciou o município, depois que a China registrou 29 contágios locais de coronavírus nesta terça-feira (26).

Apesar do número relativamente baixo de novos casos na comparação com outros países, o governo chinês intensifica a vigilância quando o país se prepara para receber os Jogos Olímpicos de Inverno, em fevereiro de 2022.

A China impôs controles rígidos na fronteira depois que o vírus foi detectado pela primeira vez no fim de 2019 e conseguiu reduzir o número de contágios a praticamente zero, o que permitiu a recuperação de sua economia.

A estratégia da "Covid zero" permitiu, até o momento, conter os novos surtos no país, explica o correspondente da RFI na China, Stéphane Lagarde. O governo pretende controlar os focos pelo menos até a chegada dos Jogos Olímpicos, por isso não abrem mão de novos lockdowns.

As autoridades de Lanzhou afirmaram que a "entrada e saída de residentes" será controlada rigidamente e limitada a compras essenciais ou atendimento médico. Dos 29 casos detectados na terça-feira, seis foram registrados nesta que é a capital da província de Gansu.

As novas regras são adicionadas às ordens rígidas de lockdown impostas a milhares de pessoas no norte da China.

Variante e turistas

O foco mais recente de coronavírus na China foi associado à contagiosa variante delta, com mais de 100 novos casos registrados na última semana.

As autoridades de saúde advertiram que novos surtos podem surgir com a ampliação dos testes de detecção nos próximos dias para combater o foco inicial, que está relacionado com um grupo de turistas locais.

Em Pequim, que registrou três novos contágios nesta terça-feira, o acesso a locais turísticos permanece restrito e os moradores foram aconselhados a não deixar suas cidades, exceto em caso de necessidade.

Vários complexos residenciais na capital também estão sob confinamento e a cidade adiou por tempo indeterminado a maratona de Pequim, originalmente marcada para o próximo domingo (31) e que teria a participação de 30 mil corredores.

As medidas refletem a determinação das autoridades de erradicar o último surto de coronavírus com a aproximação dos Jogos de Pequim.

A agência de notícias oficial Xinhua informou que o secretário do Partido Comunista na cidade de Ejin Banner, na região norte da Mongólia Interior, foi afastado do cargo "por seu fraco desempenho e implementação de controle e prevenção da epidemia". A cidade foi atingida pela última onda de infecções, que afetou principalmente o norte da China.

Ao mesmo tempo, testes em larga escala são organizados em 11 províncias e as autoridades suspenderam os grupos turísticos de atravessarem as províncias em cinco áreas onde foram detectados casos, incluindo Pequim.

Novas restrições em Hong Kong

Ao mesmo tempo, Hong Kong também anunciou que vai endurecer ainda mais as restrições para entrada em seu território, que já estão entre as mais severas do mundo, para se alinhar com a China na luta contra a Covid-19.

O centro financeiro internacional, com um governo em tese semiautônomo, mas cada vez mais controlado por Pequim, já impõe uma quarentena obrigatória em hotéis de 14 a 21 dias para a maioria de seus viajantes.

O isolamento permitiu controlar a pandemia quase por completo, mas é criticado por setores econômicos, preocupados com a competitividade da cidade. As normas incluem raras exceções, especialmente para diplomatas ou grandes empresários autorizados a fazer o isolamento em casa, ou para determinados residentes de Hong Kong que chegam da China continental.

"Em breve vamos anunciar que a maioria das exceções à quarentena serão canceladas", alertou a chefe do governo local, Carrie Lam, sem revelar mais detalhes.

(com informações da RFI e da AFP)

Notícias