PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
15 dias

Tribunal Internacional decide priorizar investigação sobre Talibã e EI no Afeganistão

15.set.2021 - Membros do Talibã fazem patrulha em posto de controle de Kunduz, no norte do Afeganistão - Ajmal Kakar/Xinhua
15.set.2021 - Membros do Talibã fazem patrulha em posto de controle de Kunduz, no norte do Afeganistão Imagem: Ajmal Kakar/Xinhua

27/09/2021 09h40Atualizada em 27/09/2021 10h19

O Tribunal Penal Internacional (TPI) voltará sua investigação para o Talibã e o grupo Estado Islâmico do Khorasan (EI-K), declarou seu novo procurador-chefe, Karmin Khan.

Sem poder "esperar investigações locais autênticas e eficazes" após a ascensão dos talibãs ao poder, o procurador pediu aos magistrados do tribunal que priorizem a investigação sobre os talibãs e o EI-K e que "não priorizem mais" os crimes dos quais as forças americanas que se retiraram do país eram suspeitas.

"A recente evolução da situação política no Afeganistão e a mudança de governo no país tiveram profundas repercussões", declarou Khan em um comunicado.

"Após uma análise minuciosa, cheguei à conclusão de que, considerando as circunstâncias atuais, não há mais perspectivas de que as autoridades nacionais promovam verdadeiras investigações", acrescentou.

Khan pediu aos juízes que "decidam o mais rápido possível" para retomarem a investigação, suspensa no ano passado a pedido do governo afegão da época, que queria realizar sua própria investigação.

A abertura de uma investigação por parte do TPI no Afeganistão, especialmente por supostos crimes cometidos pelos soldados americanos, levou o governo do ex-presidente americano Donald Trump a impor sanções à antecessora de Khan, Fatou Bensouda.

Por causa dos "recursos limitados" do TPI, criado em 2002 para julgar os piores crimes cometidos no mundo, Khan decidiu priorizar o Afeganistão.

"Decidi concentrar as investigações de meu escritório no Afeganistão nos crimes que foram cometidos pelos talibãs e pelo Estado Islâmico na província de Khorasan, em detrimento de outros aspectos da investigação", explicou, destacando "a gravidade, o alcance e a natureza dos crimes que foram cometidos ou que seriam cometidos pelo Talibã e o Estado Islâmico".

O procurador do TPI mencionou o ataque cometido em 26 de agosto no aeroporto de Cabul, reivindicado pelo EI-K, no qual morreram 13 militares americanos e mais de 100 civis afegãos.

Notícias