PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
15 dias

Scholz defende governo com verdes e liberais na Alemanha

27/09/2021 07h39

BERLIM, 27 SET (ANSA) - O vice-chanceler e ministro das Finanças da Alemanha, Olaf Scholz, declarou vitória nas eleições federais do último domingo (26) e disse que o povo expressou o desejo de ver um governo entre social-democratas, liberais e verdes.   

"Uma coalizão social-ecológica-liberal tem sólidos pressupostos na história, e é isso que temos de fazer", afirmou Scholz, líder do Partido Social-Democrata (SPD), vencedor das eleições com 25,7% dos votos, segundo resultados oficiais preliminares.   

Isso corresponde a 206 das 735 cadeiras no Parlamento, o que significa que o SPD precisará costurar alianças para formar um novo governo, processo que pode durar meses - até lá, Angela Merkel, da conservadora União Democrata-Cristã (CDU), segue no poder.   

O segundo lugar nas eleições ficou com a própria CDU e seu braço na Baviera, a União Social-Cristã (CSU), que obtiveram 24,1% da preferência (196 assentos no Parlamento), quase nove pontos a menos que no pleito de 2017.   

Já os Verdes saltaram de 8,9% para 14,8% (118 assentos), puxados pela crescente preocupação com a crise climática na juventude da Europa Ocidental, enquanto o Partido Democrático Livre (FDP), de orientação liberal, passou de 10,7% para 11,5% (92 assentos).   

A CDU já governa em aliança com o SPD, seu maior rival, desde 2013, mas Scholz deixou claro que não pretende reeditar essa grande coalizão. "Os eleitores expressaram sua vontade de modo claro: reforçaram SPD, verdes e liberais, e esses três devem guiar o novo governo", declarou o vice-chanceler em Berlim nesta segunda-feira (27).   

O SPD já governou em aliança com o FDP entre 1969 e 1982, com Willy Brandt e Helmut Schmidt, e em coalizão com os Verdes, entre 1998 e 2005, com Gerhard Schröder, mas nunca com os dois ao mesmo tempo.   

"CDU e CSU não apenas perderam muitos votos, mas também receberam a mensagem dos eleitores de que agora não podem mais estar no governo, devem ir para a oposição", reforçou Scholz.   

No entanto, apesar do otimismo do vice-chanceler, a fragmentação do Parlamento deve dificultar as negociações para a formação do governo, especialmente por causa das diferenças entre liberais e verdes.   

Como envolver os dois partidos é a única forma de evitar a repetição da coalizão entre SPD e CDU, o próprio líder do FDP, Christian Lindner, já sugeriu começar as negociações com os próprios Verdes, e não com as duas legendas mais votadas.   

(ANSA).   

Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Notícias