PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Luís Gustavo tirou racha de moto na novela Beto Rockfeller, de 1968

Luiz Gustavo e Plínio Marcos em cena da novela "Beto Rockfeller", Tupi, 1968/1969; escrita por Bráulio Pedroso, foi um divisor de águas, revolucionou o gênero criando um padrão para a telenovela brasileira seguido até hoje - Reprodução/TV Globo
Luiz Gustavo e Plínio Marcos em cena da novela "Beto Rockfeller", Tupi, 1968/1969; escrita por Bráulio Pedroso, foi um divisor de águas, revolucionou o gênero criando um padrão para a telenovela brasileira seguido até hoje Imagem: Reprodução/TV Globo
Arthur Caldeira

Arthur Caldeira, jornalista e motociclista (necessariamente nessa ordem) fundador da Agência INFOMOTO. Mesmo cansado de ouvir que é "louco", anda de moto todos os dias no caótico trânsito de São Paulo.

do UOL

Colunista do UOL

19/09/2021 18h47

Recentemente, quando o ator Tarcísio Meira faleceu, relembrei a importância do seu personagem motociclista na novela "Cavalo de Aço" de 1973 na popularização das motos no Brasil. Mas coube ao ator Luís Gustavo, que faleceu hoje, aos 87 anos, em decorrência de complicações de um câncer no intestino, a primazia de estrear uma novela ao guidão de uma moto.

Como protagonista de "Beto Rockfeller", novela que estreou na TV Tupi em 1968, Luís Gustavo acelerou uma pequena Honda de 90 cc em um racha pelas novas avenidas de uma cidade em expansão.

O ator fazia o papel de um vendedor de sapatos que fingia ser rico para aparecer na sociedade paulistana e aceitou o desafio de um playboy da época para apostar uma corrida cujo prêmio era de cinco milhões de cruzeiros.

A trama, dirigida por Lima Duarte, revolucionou a teledramaturgia brasileira com seus diálogos coloquiais e cenas externas, entre elas, o racha de motos pelas ruas da capital paulista. Beto Rockfeller também foi o primeiro anti-herói das novelas brasileiras.

No Brasil dos anos 1960, a motocicleta era símbolo de liberdade jovem, mas era esporte de playboy, afinal eram todas importadas e custavam caro. O jovem Lavito, de classe média alta, autor do desafio ao rival e seus amigos motociclistas, com as namoradas na garupa, passeavam pelas novas avenidas da capita paulista. Já o "impostor" de origem humilde nem moto tinha.

Honda 90cc Beto Rockfeller - Divulgação - Divulgação
Honda Benly CS90 foi a primeira com motor com comando de válvulas no cabeçote
Imagem: Divulgação

Teve de pedir emprestada o que parece ser uma Benly S90 cub fabricada pela Honda entre 1964 e 1969. O motor de 89,5 cm³ da S 90 tinha câmbio de quatro marchas e produzia 8 hp de potência máxima.

Beto se prepara para o duelo, com ajuda de seu amigo Vitório (papel do lendário Plínio Marcos) que trabalha como mecânico na oficina de Seu Domingos, personagem criado e interpretada por Lima Duarte, que além de ter dirigido a novela, também fez alguns papéis secundários, porém marcantes, como o misterioso dono de oficina.

Notícias