PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
2 meses

O vocabulário da violência na Venezuela

26/07/2021 11h07

Caracas, 26 Jul 2021 (AFP) - As gírias usadas por quadrilhas e gangues, o jargão da polícia, o linguajar das ruas... A Venezuela tem visto surgir expressões características da violência cotidiana à qual seus moradores estão expostos.

- 'Barrio' ou 'barriada': A palavra em espanhol usada para a urbanização se transformou pouco a pouco, tornando-se o equivalente a "favela" em português. Tratam-se de urbanizações carentes, em geral construídas em morros ou áreas pantanosas. Comunidades que por si já eram marginalizadas, agora estão urbanizadas em sua maioria com ruas, casas de alvenaria, água e energia elétrica. Os líderes dos grupos criminosos vivem frequentemente no topo dos morros e nas casas mais luxuosas.

- Zona de paz: Inicialmente, as zonas de paz foram instauradas pelas autoridades em 2013: tratavam-se de territórios onde a polícia não podia entrar em troca de que os grupos ou as gangues criminosas não cometessem mais crimes. O sistema permitiu que o crime prosperasse. Hoje, se chama de "zona de paz" aqueles locais aonde a polícia não vai mais.

- 'Vacuna': (vacina) extorsão que os grupos criminosos cobram dos comerciantes da área onde operam. É o equivalente ao "pizzo" ou ao "imposto revolucionário" cobrados pelo crime organizado em alguns países. Na Venezuela, quem paga a 'vacuna' está protegido. É uma das principais fontes de financiamento do crime.

- 'Sapo': Informante, delator. Refere-se aos informantes da polícia, mas também àqueles que falam com a imprensa ou inclusive comentam ou criticam publicamente os grupos criminosos. Por essa razão, as comunidades são frequentemente áreas silenciadas, onde as pessoas falam com reticência sobre o que acontece.

- 'Causa': Amigo, colega. A palavra vem do jargão jurídico. Uma "causa" é um caso judicial. Aqueles que cometem o mesmo crime se chamam de "causas" entre si. À medida que se expandem, muitos membros de grupos criminosos se chamam uns aos outros desta forma para mostrar que são litigáveis e se orgulham disso.

- 'Bruja': (bruxa) A princípio, refere-se ao nível mais baixo da população carcerária: estupradores, assassinos de crianças, pedófilos, mas também aos criminosos sem vínculos a uma organização. Na prisão, são confinados no "brujazo" (bruxaço) - o lugar onde ficam os 'brujas' - para evitar ser agredidos ou violentados pelos demais detentos. Por extensão e desprezo, o insulto também é usado para os policiais.

- Caramelos: Projéteis de arma de fogo. Já uma 'piña' (abacaxi) refere-se a uma granada de fragmentação e uma "pêra", a uma bomba de gás lacrimogênio.

- 'Ochentear': (oitentear) Matar um criminoso. Nos primórdios, "80" era o código da polícia para identificar um marginal executado. O número foi transformado em verbo. "Cuadrar" (enquadrar) é outro termo que a polícia usa quando executa um criminoso e altera a cena para que pareça legal.

- 'Los de arriba': (os de cima) Trata-se de uma alusão à localização geográfica das pessoas. Os grupos criminosos floresceram nas comunidades instaladas nos morros. Seus membros ficam, estrategicamente, no topo para observar melhor, mas também para que a polícia precise entrar na comunidade e se expor mais para chegar até eles. Ao contrário, 'Los de abajo' (os de baixo) são, em geral, policiais ou funcionários públicos.

bur-pgf/atm/jt/mvv

Notícias