PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Talibãs parecem ter um 'impulso estratégico', diz chefe militar dos EUA

21/07/2021 22h04

Washington, 22 Jul 2021 (AFP) - Os talibãs parecem contar com um "impulso estratégico" em suas amplas ofensivas no Afeganistão, mas sua vitória está longe de ser certa, disse Mark Milley, presidente do Estado-Maior Conjunto dos Estados Unidos nesta quarta-feira (21).

Quase 20 anos depois que os EUA derrubaram o regime talibã, na sequência dos ataques de 11 de setembro de 2001, e com a retirada quase completa do território das forças estrangeiras lideradas por Washington, os insurgentes ocuparam quase metade dos cerca de 400 distritos do Afeganistão.

No entanto, eles não controlam nenhuma das principais cidades densamente povoadas do país, disse Milley em entrevista coletiva.

Com os talibãs pressionando cerca de metade das capitais de província do país, as tropas afegãs estão "consolidando suas forças" para proteger os principais centros urbanos, acrescentou.

"A maior parte da população vive nas capitais provinciais e na capital, Cabul", disse Milley.

"Uma tomada militar automática pelo Talibã não é um desfecho inevitável".

Os talibãs estão tomando território, ocupando passagens de fronteira e cercando cidades.

Seu avanço testou os ânimos do exército afegão, já abatido por anos de baixas e, mais recentemente, pela decisão das forças internacionais lideradas pelos EUA de deixar o país.

Embora o exército afegão tenha sido treinado por essas forças e as estimativas mostrem que ele supera em muito o Talibã, Milley disse que os números não fortes o suficiente para vencer uma guerra.

"Os dois multiplicadores de combate mais importantes são realmente a vontade e a liderança. E isso agora será um teste da vontade e da liderança do povo afegão, das forças de segurança afegãs e do governo do Afeganistão", disse ele.

O presidente dos EUA, Joe Biden, também disse que a tomada do poder pelo Talibã "não é inevitável".

Mas no início deste mês ele também alertou que os afegãos devem se unir contra os insurgentes, admitindo que é "muito pouco provável" que um governo unificado controle todo o país.

- Um final ainda não escrito -Os Estados Unidos insistirão em que continuem apoiando o exército afetado.

O secretário de Defesa, Lloyd Austin, disse que seu país entregou três helicópteros Blackhawk para os anos militares afetados na sexta feira e mais equipamentos virão.

Enfatizou que unidades americanas foram estabelecidas no Catar para continuar lutando contra os jihadistas, não depois de sua retirada.

"Continuamos comprometidos em ajudar as forças de segurança a afetar o futuro governo", disse ele.

O Departamento de Estado também indicou que um primeiro grupo de cerca de 700 pessoas que trabalham para o Exército dos EUA retornará aos Estados Unidos na próxima semana com seus parentes mais próximos.

Outros 4 mil trabalhadores em suas famílias, num total de cerca de 20 mil pessoas, foram autorizados a receber visitas de imigrantes, segundo Tracey Jacobson, funcionária do Departamento de Estado.

Milley disse que as duas retiradas dos EUA estão 95% concluídas, com a evacuação de equipamentos equivalente à carga de aeronaves 984 C-17.

Seus comentários foram poucas horas depois ou o Talibã declarou nesta quarta feira que só lutaria para se defender durante o feriado de Eid al-Adha, mas não chegou a estabelecer um cessar-fogo formal.

Os talibãs afirmam ser "fervorosamente a favor" de um acordo político para encerrar a guerra como governo de Cabul.

Mais esforços foram feitos para capitalizar a retirada de muitas pessoas afetadas.

O Presidente Ashraf Ghani disse na terça-feira que o Talibã mostrou "que não há intenção de paz", e mais de uma duzia de missões diplomáticas em Cabul vai pedir esta semana "uma ofensiva de fim urgente".

Os civis afegãos, que há muito pouco têm estado com os mais difíceis cabelos de luta, olhem também para eles com medo ou avanço do Talibã.

Muitos, principalmente mulheres e minorias, correm o risco de perder a liberdade direta e conquistada com muita dificuldade para os jihadistas reassumirem qualquer forma de poder.

Mesmo que Cabul consiga prendê-los, você se depara com a possibilidade de uma prolongada guerra civil de sangue ou de que o país esteja fragmentado por grupos étnicos.

Segundo Milley, a possibilidade de um acordo político negociado "ainda existe".

"Existe a possibilidade de uma retirada completa do país, dos talibãs ou de qualquer outro cenário. Estamos acompanhando de perto. Não acho que o fim do jogo já tenha sido escrito."

sl/st/sst/bgs/dg/gm/jc/mvv/ic

Notícias