PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
1 mês

Forte terremoto causa morte de criança e danos em 13 distritos de Lima

23/06/2021 22h45

Lima, 23 jun (EFE).- Um menino de 6 anos, que sofria de epilepsia, morreu em consequência de um terremoto de magnitude 6 na escala Richter ocorrido na terça-feira, e pelo menos 13 distritos de Lima sofreram danos materiais devido ao tremor e as réplicas ocorridas nas horas seguintes.

A criança morava no distrito de Chilca, bem próximo ao epicentro do terremoto que atingiu a costa central do Peru ontem à noite, e foi retirado de sua casa com sua família.

No entanto, quando ele estava fora da residência e ouviu o barulho do terremoto, a criança ficou assustada e começou a ter convulsões, afirmaram seus familiares à imprensa local.

Seus pais relataram que o menino tinha diagnóstico de epilepsia, mas no último mês não conseguiu ser medicado devido à falta do remédio nas farmácias de Chilca.

Quando foi transferido para o posto de saúde local, o médico de plantão apenas certificou a sua morte devido a um ataque cardíaco.

A prefeita de Mala, Sonia Ramos, informou hoje que há pelo menos oito casas naquele distrito foram afetadas pelo terremoto e as réplicas que se seguiram durante a madrugada, a mais forte de magnitude 4,8.

Por sua vez, o prefeito de Lima, Jorge Muñoz, lamentou a morte da criança aparentemente por "uma situação de pânico" e informou que 13 distritos da capital peruana sofreram algum tipo de dano material, principalmente devido à queda de pedras na faixa costeira.

"Quase todos os distritos costeiros registraram danos causados pela queda de rochas. Um prédio que rachou, outras propriedades do centro histórico sofreram rachaduras, inclusive edifícios pertencentes ao município", disse Muñoz.

Nas últimas horas, ocorreram mais de 13 tremores secundários após o terremoto em Mala, de acordo com o presidente do Instituto Geofísico do Peru, Hernán Tavera, o mais forte deles foi de magnitude 4,8 com epicentro 16 quilômetros a sudoeste do Distrito de Chilca às 7h (hora local) de hoje.

Notícias