PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
1 mês

Escalada de violência com Israel deixa 9 mortos em Gaza; 3 são crianças

10/05/2021 22h51

Gaza/Jerusalém, 10 mai (EFE).- Pelo menos nove palestinos, entre eles três crianças, foram mortos nesta segunda-feira em Gaza, segundo o Ministério da Saúde local, em meio à escalada de violência com Israel após o lançamento de foguetes do enclave, que chegaram até Jerusalém, em dos dias mais tensos dos últimos anos.

O exército israelense confirmou os bombardeamentos retaliatórios na Faixa de Gaza, assim como vários ataques direcionados contra milicianos e alvos do movimento islamita Hamas, que controla o enclave, mas disse que "não podia garantir que todas as mortes fossem o produto destes".

As milícias armadas da Faixa tinham feito um ultimato a Israel durante o tenso dia de hoje em Jerusalém, depois do que lançaram mais de 45 projéteis que soaram os alarmes nas cidades israelenses limítrofes da Faixa, em Jerusalém e na área de Beit Shemesh, no centro de Israel.

Seis dos projéteis foram disparados em direção a Jerusalém, dos quais um foi interceptado e um atingiu uma casa na periferia, enquanto os demais caíram em áreas despovoadas.

"Temos a capacidade, a autoridade e a intenção de dar um duro golpe contra o Hamas", declarou um porta-voz do exército israelense em resposta ao ataque de hoje, acrescentando que disse esperar "que a escalada dure por muito tempo".

O exército israelense relatou reforços no sul de Israel e destacou que estava preparado para "qualquer cenário", "inclusive de alta intensidade".

A Cidade Santa vive desde o início desta manhã um novo pico de tensão depois que as forças israelenses entraram na Esplanada das Mesquitas, após esta ter sido invadida na sexta-feira, onde voltaram a ser registrados fortes confrontos com palestinos, que deixaram mais de 300 feridos esta manhã.

Na Porta de Damasco, onde os tumultos se concentraram durante toda a semana, dezenas de jovens palestinos reuniram-se para impedir a passagem de uma marcha ultranacionalista judaica por ocasião do chamado Dia de Jerusalém, que foi finalmente interrompida.

Notícias