PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Pessoas vacinadas serão isentas de restrições sanitárias na Alemanha

Pessoas vacinadas serão isentas de restrições sanitárias na Alemanha - Kai Pfaffenbach/Reuters
Pessoas vacinadas serão isentas de restrições sanitárias na Alemanha Imagem: Kai Pfaffenbach/Reuters

04/05/2021 14h53

A Alemanha pretende suspender algumas restrições para as pessoas que já foram vacinadas contra o coronavírus. Quem já foi imunizado não será mais obrigado a apresentar um teste negativo para entrar em lojas que exigem um certificado e não será submetido ao limite de participantes em reuniões privadas, informou nesta terça-feira (4) a ministra da Justiça alemã.

Com informações da AFP e de Pascal Thibaut, correspondente da RFI em Berlim

"As pessoas que já foram vacinadas não vão precisar mais de um teste negativo se quiserem fazer compras, ir ao cabeleireiro ou visitar um jardim botânico, por exemplo", disse Christine Lambrecht em um comunicado. Os imunizados também poderão ir, sem limites de participantes, a eventos privados, acrescentou a ministra.

O toque de recolher noturno, recentemente introduzido a partir das 22h, também não será aplicado às pessoas que receberam as duas doses da vacina contra a Covid-19.

O texto, aprovado pelo governo nesta terça-feira, deve agora passar pelo Parlamento. Mas tudo leva a crer que a proposta não encontrará obstáculos.

A câmara baixa do Parlamento, o Bundestag, vai votar o projeto na quinta-feira (6) e o Bundesrat, a câmara alta, na sexta (7). Se for validada, a medida pode entrar em vigor já no próximo fim de semana.

Até segunda-feira (3), mais de 6,7 milhões de pessoas já haviam recebido as duas doses necessárias da vacina e quase 24 milhões receberam uma dose, de acordo com o Instituto Robert Koch.

A Alemanha, duramente atingida por uma terceira onda da epidemia no final do ano passado, vem adotando há vários meses muitas restrições, desde o fechamento de bares, restaurantes, espaços culturais e esportivos, até a paralisação do comércio não essencial. Além disso, o país limitou drasticamente as reuniões privadas e introduziu um toque de recolher noturno.

População mais prudente

Os especialistas estimam que desde que as previsões de melhora anunciadas pelo governo nas vésperas da Páscoa não se concretizaram, a população se conscientizou da gravidade da situação e adotou uma atitude mais prudente. O governo também decidiu, ao contrário de muitos países europeus, não definir por enquanto um cronograma para a reabertura dos estabelecimentos.

"Tivemos que restringir os direitos fundamentais durante a crise de saúde para proteger as vidas e a saúde pública. Foi extremamente doloroso para mim, na condição de ministra da Justiça", enfatizou Lambrecht. "Sempre deixei claro que os direitos fundamentais deverão ser restaurados quando a sua restrição já não se justificar", acrescentou a ministra social-democrata.

"A queda nas taxas de infecção e o fato de que cada vez mais pessoas estão sendo vacinadas me dão confiança de que poderemos avançar rapidamente para outras fases de abertura", declarou, sublinhando, no entanto, que "a pandemia ainda não acabou".

Nesta terça-feira, a Alemanha contabilizava um total de 3.433.516 casos oficialmente declarados de Covid-19 (+7.534 em 24 horas) e 83.591 mortes (+315).

Notícias