PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Mulher viraliza ao denunciar sumiço de ex com filhas; polícia investiga

Mãe denunciou desaparecimento das filhas à polícia no CE - Arquivo pessoal
Mãe denunciou desaparecimento das filhas à polícia no CE Imagem: Arquivo pessoal
do UOL

Ed Rodrigues

Colaboração para o UOL

04/05/2021 18h17Atualizada em 04/05/2021 18h21

A enfermeira e doula Caroline Gadelha Leitão denunciou o pai de suas duas filhas por sequestro, no Ceará. Segundo ela, as crianças deveriam ter sido devolvidas às 19h do domingo (2), mas estão desaparecidas desde então. O caso foi registrado na Polícia Civil cearense, que abriu investigação.

Em uma rede social, Caroline postou um desabafo e contou que as filhas foram deixadas na casa do pai na última sexta-feira (30). O relato da mãe viralizou e atingiu mais de 190 mil visualizações em poucas horas.

"Elas foram para a visita na casa do pai na sexta-feira, às 19h, como combinado. E o dia de retornar para a casa delas, a nossa casa, seria no domingo, dia 2, às 19h. Meu esposo, padrasto delas, foi levá-las na sexta, mas quando foi buscá-las no domingo, a casa estava fechada", detalhou Caroline na publicação.

filhas - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Alice e Isabel Gadelha, 4 e 3 anos
Imagem: Arquivo pessoal

No vídeo, a mãe de Alice e Isabel Gadelha, 4 e 3 anos, respectivamente, afirmou que os telefones do pai da meninas foram desligados e que os parentes dele desconhecem seu paradeiro.

Procurada, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) informou que a Delegacia de Jijoca de Jericoacoara, no litoral cearense, ficou responsável pela investigação.

"As diligências sobre o caso estão em andamento e mais informações serão divulgadas em momento oportuno para não atrapalhar as investigações", destacou a corporação, em nota.

A UOL também conversou com a família das crianças. O empresário Jefferson Leitão Gadelha, padrasto das meninas, contou que anteriormente havia uma medida protetiva em desfavor do pai delas, identificado como José Alan Barbosa.

"Uma juíza derrubou e ele passou a ter acesso às meninas novamente. Essas medidas foram porque ele tem histórico de agressão contra minha esposa e até tentativa de feminicídio."

Jefferson foi o primeiro a desconfiar que o pai das meninas poderia tê-las levado sem o consentimento da mãe.

"Quando eu cheguei à casa dele, me deparei com o local vazio. As luzes estavam apagadas. Tinha ninguém. Fomos imediatamente à polícia", disse.

"No outro dia, a Justiça emitiu mandado de busca na casa. Tudo vazio. Não tinha pertencentes nem deles e nem das meninas. A polícia entrou no caso, mas não tenho notícia alguma até agora", ressaltou.

Notícias