PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

EUA e europeus defendem na ONU preservação da integridade territorial da Bósnia

04/05/2021 18h31

Nações Unidas, Estados Unidos, 4 Mai 2021 (AFP) - Os Estados Unidos e países europeus expressaram nesta terça-feira (4) sua disposição de preservar a integridade territorial da Bósnia e apoiar o mediador da ONU, cuja gestão foi questionada pela Rússia no Conselho de Segurança da organização.

"A posição americana sobre os acordos de paz de Dayton e sobre o futuro da Bósnia como um único estado destinado à comunidade euro-atlântica permanece inalterada", disse a embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Linda Thomas-Greenfield.

"Não há futuro para qualquer outra entidade que não a Bósnia e Herzegovina", enfatizou, reiterando o apoio de Washington ao "papel essencial" do emissário da ONU, Valentin Inzko.

Em abril, o site Necenzurirano notou que o primeiro-ministro esloveno, Janez Jansa, defendeu a dissolução da Bósnia, reduzindo-a a um pequeno estado de maioria muçulmana, enquanto sua entidade sérvia, a Republika Srpska, se juntaria à Sérvia e à Croácia.

Como outros países europeus que integram o Conselho de Segurança, como Irlanda e Estônia, a França afirmou seu "apoio inabalável à soberania e integridade territorial" da Bósnia.

"A retórica da divisão, discursos nacionalistas e separatistas ou aqueles que aludem ao potencial para uma guerra, não são aceitáveis", disse a vice-embaixadora da França, Nathalie Broadhurst, que pediu para manter o emissário da ONU na Bósnia.

A Rússia não questiona a integridade da Bósnia, mas considera que a organização internacional não mostrou equilíbrio em seus relatórios e que o escritório da ONU deveria ser encerrado.

O emissário da ONU "apresenta a situação como se os sérvios bósnios e os croatas fossem os culpados pelas dificuldades", justificou Anna Evstigneeva, a vice-embaixadora da Rússia.

A diplomata denunciou a "interferência" de Inzko na Bósnia e a "manipulação de eventos históricos" que "causam tensões".

Essas críticas foram rejeitadas por Inzko, que deplorou o discurso de ódio contra ele depois que em novembro passado o atual presidente da Bósnia, Milorad Dodik, o descreveu como um "monstro".

prh/dax/gm/llu/ap/mvv

Notícias