PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Doador de esperma nos EUA gerou 78 filhos: 'Não sou bom em dizer não'

Ari mantém contato com alguns de seus filhos biológicos - Reprodução/Facebook/Ari Nagel
Ari mantém contato com alguns de seus filhos biológicos Imagem: Reprodução/Facebook/Ari Nagel
do UOL

Colaboração para o UOL

04/05/2021 18h06

A maioria dos doadores de esperma são anônimos e não têm ideia de quantas famílias ajudaram diretamente, mas Ari Nagel decidiu seguir um caminho independente e direto com as mulheres. O norte-americano foi o convidado do programa "The Dr. Oz Show" de hoje, e contou que é pai biológico de 78 meninos e meninas. E, no momento, tem mais 13 mulheres gestando novos filhos.

O professor universitário, também conhecido como "Esperminador", explica que tenta ajudar todas as mulheres que entram em contato com ele querendo engravidar nos últimos dez anos. Atualmente, ele soma mais de uma doação por mês.

"Talvez eu não seja bom em dizer não", brinca, quando questionado sobre sua motivação para auxiliar a geração de bebês. "Acho que, de certa forma, tenho muito da alegria e amor que outros pais vivenciam", acrescentou.

Aos 44 anos, Nagel já chegou a doar espermas pessoalmente em países da África, na Rússia e na Geórgia, mas a maior parte dos pedidos vem dos Estados Unidos. Tudo é voluntário, e o solteirão não tem qualquer compensação financeira por seus serviços.

Anteriormente, o processo envolvia uma relação sexual, porém a alta demanda obrigou o homem a profissionalizar seus métodos. Hoje, o nova-iorquino entrega a doação em um recipiente e as mulheres se responsabilizam pela implantação.

Os perfis vão desde casais homoafetivos até mulheres solteiras ou em idades avançadas. E cabe a elas manter o contato com o pai biológico ou não. Algumas optaram por seus filhos terem Nagel em suas vidas quase que todos os dias.

A grande procura pelos serviços chamou a atenção da Secretaria de Estado de Saúde, que afirmou que Nagel não poderia estar anunciando livremente as doações sem uma clínica especializada. A atitude pode acabar gerando processos legais no futuro.

Notícias