PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Companhias aéreas usam sistema falho para compensação de carbono

O The Guardian investigou 10 esquemas de proteção florestal que as companhias aéreas estavam usando antes da pandemia - Getty Images/iStockphoto
O The Guardian investigou 10 esquemas de proteção florestal que as companhias aéreas estavam usando antes da pandemia Imagem: Getty Images/iStockphoto
do UOL

Colaboração para o UOL

04/05/2021 15h23

Uma investigação do jornal britânico The Guardian junto com o Unearthed, braço de jornalismo investigativo da ONG Greenpeace, descobriu que o mercado de compensação de carbono, usado por grandes companhias aéreas para reivindicações de voos neutros em carbono, é baseado em um sistema falho.

O The Guardian investigou 10 esquemas de proteção florestal que as companhias aéreas estavam usando antes da pandemia, credenciados pela Verra, uma organização sem fins lucrativos dos EUA que administra o padrão de crédito de carbono.

Os projetos estimam as emissões que evitaram, prevendo quanto desmatamento teria ocorrido sem eles. As reduções são então vendidas como créditos.

No entanto, o jornal descobriu que as previsões eram frequentemente inconsistentes com os níveis anteriores de desmatamento na área e, em alguns casos, a ameaça às árvores pode ter sido exagerada.

Além disso, existem preocupações sobre o problema de olhar para o futuro e prever quais árvores seriam ou não abatidas, e de provar que o próprio projeto fez uma diferença para o resultado.

Thales West, cientista e ex-auditor de projetos, conduziu um estudo sobre esquemas na Amazônia, no Brasil, e descobriu que os projetos costumavam exagerar nas suas reduções de emissões. Ele disse que as metodologias "não são robustas o suficiente", o que significa que "há espaço para projetos gerarem créditos que não tenham nenhum impacto no clima".

A Verra, que atesta os projetos estudados na investigação, apontou que muitos dos benefícios proporcionados por esses projetos eram difíceis de medir. "A Verra canaliza financiamento, tecnologia e conhecimento para comunidades rurais dependentes da floresta que, de outra forma, carecem de recursos. Esses projetos enfrentam o desmatamento de maneiras cada vez mais novas e criativas".

Segundo a organização, estão sendo feitas mudanças substanciais na forma como os projetos geram créditos. Ela desenvolveu uma nova ferramenta de mapeamento de risco para destacar as áreas de maior risco de desmatamento. Verra disse que os créditos gerados com as metodologias anteriores não seriam retirados.

Em resposta aos resultados da investigação, as companhias aéreas disseram que confiavam na qualidade dos créditos Redd + que usavam para compromissos climáticos, que muitas vezes eram obtidos por meio de terceiros.

A EasyJet, que compensa as emissões de combustível em nome de todos os clientes para "voos neutros em carbono", disse que era uma medida provisória enquanto a tecnologia de emissão zero era desenvolvida e a companhia aérea estava confiante de que os projetos que apoiou estavam de fato prevenindo a perda de floresta.

A British Airways disse que está comprometida com as emissões líquidas zero até 2050 e que a compensação continua sendo uma parte importante de seu plano de curto prazo, enquanto alternativas aos combustíveis fósseis são desenvolvidas.

Delta disse que as metodologias da Verra são rigorosas e baseadas na ciência, acrescentando também que está investindo em tecnologias de baixo carbono. Outras companhias aéreas ecoaram esses comentários e disseram que o uso de compensações era uma medida intermediária.

Até agora, o mercado de compensações de carbono tem sido pequeno, cerca de US $ 300 milhões em 2019. Mas durante os últimos dois anos, uma enorme onda de estratégias corporativas líquidas de zero e reivindicações de neutralidade de carbono mudaram a necessidade de contabilidade de carbono rigorosa para créditos Redd +.

O jornal destaca que para que estes projetos cumpram o papel que lhes foi delineado na descarbonização do mundo desenvolvido, proporcionando compensações para grandes empresas e ajudando a contribuir para a jornada da rede zero, é vital que as metodologias que utilizam para calcular a redução das emissões sejam rigorosas e precisas.

Notícias