PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Acidente no metrô da Cidade do México deixa pelo menos 23 mortos

04/05/2021 11h38

México, 4 Mai 2021 (AFP) - Ao menos 23 pessoas morreram e mais de 70 ficaram feridas na segunda-feira à noite na queda de um trem do metrô da Cidade do México de um viaduto que desabou, anunciaram as autoridades.

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, prometeu nesta terça-feira uma investigação profunda da tragédia.

"Teremos uma investigação exaustiva, sem considerações de qualquer espécie, procurando a verdade (...), a partir disto será apurada a responsabilidade", disse López Obrador.

Ele explicou que o inquérito está nas mãos das Procuradorias Federal e da Cidade do México, que receberão o apoio de especialistas internacionais independentes.

Na mesma entrevista, a prefeita da cidade, Claudia Sheinbaum, confirmou o balanço de 23 mortos. Ela informou que os corpos de quatro vítimas fatais continuam no trem e também informou que 79 pessoas estão hospitalizadas.

Durante a madrugada, Sheinbaum afirmou que a tragédia aconteceu quando uma viga do viaduto partiu na altura da estação Olivos, às 22H00 locais (0H00 de Brasília).

Dezenas de bombeiros e funcionários de equipes de resgate retiraram os passageiros, entre ferros retorcidos e cabos.

Com a instabilidade do trem, os trabalhos foram suspensos, mas pouco depois foram retomados com a ajuda de um guindaste.

Vários feridos conseguiram sair dos vagões por conta própria, explicou Sheinbaum.

- Críticas à construção -Ricardo de la Torre, morador da região, disse à AFP que a passagem do trem produz uma forte vibração nas casas.

"Realmente, pelas manhãs, quando os trens começam a circular, para o serviço, você sente de casa. Por este simples fato sabemos que a construção é ruim", disse.

Alguns feridos receberam colares cervicais e foram levados em ambulâncias.

Investigadores do Ministério Público seguiram para o local para ajudar na identificação dos corpos e iniciar o trabalho de perícia, que deve estabelecer as causas da tragédia.

"Vamos chegar à verdade e à justiça", afirmou Sheinbaum.

Uma pessoa saiu com vida de um automóvel que foi esmagado pelos escombros do viaduto, informou a prefeita.

A polícia, que usa cães farejadores, fez um apelo para que os curiosos abandonem a área e evitem acidentes pela queda de escombros.

"De repente, vi que a estrutura estava tremendo. Menos de um minuto depois o metrô caiu e muita poeira começou a subir", disse uma testemunha não identificada ao canal Televisa.

"Quando a poeira baixou nós corremos para ver se conseguiríamos ajudar. Não ouvimos gritos, não sei se estavam em choque (...) algumas pessoas conseguiram entrar e tirar duas pessoas que estavam por cima. Os outros estavam empilhados", acrescentou.

- Responsabilidades -A área foi isolada por policiais militares da Guarda Nacional para facilitar a operação de retirada dos vagões.

José Martínez, trabalhador que utiliza a linha de metrô em direção Tláhuac, contou emocionado que escapou do acidente porque não conseguiu chegar a tempo de embarcar depois de sair do trabalho.

"Me salvei por 15 minutos", disse.

Este é o segundo acidente no metrô mexicano este ano.

Em janeiro, um incêndio nas instalações de controle deixou um morto e 29 pessoas intoxicadas.

Em março de 2020, dois trens bateram dentro de uma estação, acidente que teve o balanço de uma vítima fatal e 41 feridos.

O metrô da Cidade do México, inaugurado em 1969, é um dos principais meios de transporte da capital e sua zona metropolitana, onde vivem quase 20 milhões de pessoas.

A linha 12, na qual aconteceu o acidente, foi inaugurada em 30 de outubro de 2012 pelo atual chanceler do México e na época prefeito da capital, Marcelo Ebrard.

Ebrard, presente na entrevista coletiva de López Obrador, afirmou que "é um dia muito triste para todos" e que compartilha a indignação e a dor provocadas pela tragédia.

"Da minha parte, estou à inteira disposição das autoridades (...). Entendo que há muitas motivações de ordem política", declarou o chanceler, apontado como um dos possíveis candidatos do governo para as eleições presidenciais de 2024.

jla-axm/dga/mis/fp

Notícias