PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Mais de 300 escolas municipais de SP estão em greve, diz sindicato

Professores da rede municipal de ensino no início da greve da categoria em fevereiro deste ano - Suamy Beydoun
Professores da rede municipal de ensino no início da greve da categoria em fevereiro deste ano Imagem: Suamy Beydoun
do UOL

Ana Paula Bimbati

Do UOL, em São Paulo

22/04/2021 14h38

Desde o início de fevereiro, professores e profissionais da Educação das escolas municipais de São Paulo estão em greve. Segundo o Sindsep (Sindicato dos Servidores Municipais de São Paulo), uma das entidades que representa a categoria, pelo menos 314 escolas têm funcionários que aderiram à paralisação. A prefeitura não confirmou nem desmentiu o número.

No levantamento feito pelo sindicato, ao qual o UOL teve acesso, 33 escolas estão com 100% do quadro de funcionários em greve. Outras 67 têm de 90% a 99% dos funcionários com atividades paradas.

Segundo João Gabriel Guimarães Buonavita, vice-presidente do Sindsep, é difícil indicar o número exato de escolas e profissionais em greve, pois a entidade não têm acesso aos dados das unidades da rede conveniada, nem das escolas que estão fechadas devido a casos de covid-19. No total, a rede conta com 4 mil escolas.

A reivindicação da categoria é por melhores condições sanitárias para o retorno das aulas presenciais. "Não somos a favor do homeschooling, nem da transferência total das atividades remotas, somos a favor das aulas presenciais, mas quais condições temos? Estamos enfrentando o pior período da pandemia", disse o vice-presidente do Sindsep.

Os sindicatos decidiram pela paralisação antes do primeiro retorno presencial das aulas em 2021, no dia 15 de fevereiro. Pouco depois de um mês, a gestão de Bruno Covas (PSDB) decidiu antecipar o recesso escolar de julho para 17 de março até 5 de abril. Em 12 de abril, com a retomada de todo o estado de São Paulo para fase vermelha do Plano São Paulo, as escolas municipais foram liberadas para reabrir.

A estrutura das unidades, segundo o Sindsep, não é segura para profissionais e alunos. "Nem todos os bebedouros são adequados, com distanciamento, e muitos prédios foram construídos sem nenhum referencial de circulação de ar", afirmou o vice-presidente do sindicato.

As diretorias regionais de educação do Butantã, Campo Limpo e Capela do Socorro lideram a porcentagem de maior adesão à greve com 73%, 72% e 76%. Já São Mateus e São Miguel têm a menor adesão com 46% e 29%, respectivamente.

Em nota, a Secretaria Municipal de Educação disse que a média diária de faltas é de 5%. A pasta se restringiu a dizer que 5,9% dos profissionais da rede não compareceram às aulas na terça-feira (20). "As faltas serão descontadas, de acordo com a legislação", concluiu.

Notícias