PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
15 dias

Ataque terrorista causa explosão em hotel de luxo no Paquistão e mata quatro pessoas

Seguranças e bombeiros chegam ao local da explosão em Quetta  - AFP
Seguranças e bombeiros chegam ao local da explosão em Quetta Imagem: AFP

21/04/2021 16h02Atualizada em 21/04/2021 19h13

QUETTA, Paquistão (Reuters) - A explosão de um carro-bomba na noite de quarta-feira atingiu o estacionamento de um hotel de luxo na cidade de Quetta, no sudoeste do Paquistão, matando quatro pessoas e ferindo 11, disseram autoridades.

O embaixador da China no Paquistão estava hospedado no hotel, mas não estava lá quando a bomba explodiu, disse o ministro do Interior do Paquistão, Sheikh Rashid Ahmad.

O ministro do Interior da província, Ziaullah Lango, disse que o enviado estava bem. "Uma explosão abalou o estacionamento do Serena Hotel", disse o policial Nasir Malik à Reuters, dizendo que 11 pessoas ficaram feridas.

Uma autoridade de um hospital civil local, Waseem Baig, disse que quatro pessoas morreram e "várias outras estão em estado crítico".

"Um carro cheio de explosivos explodiu no hotel", disse Ahmad à TV local ARY News.

O Taleban do Paquistão assumiu a responsabilidade pelo atentado. "Foi um ataque suicida em que nosso homem-bomba usou seu carro cheio de explosivos no hotel", escreveu um porta-voz do grupo militante Tehreek-e-Taliban Pakistan (TTP) em mensagem de texto a um repórter da Reuters.

Quetta é a capital da província rica em minerais do Baluchistão, que faz fronteira com o Irã e o Afeganistão, que há muito tempo é palco de uma insurgência de baixo nível por nacionalistas locais, que querem mais participação nos recursos regionais. A província abriga o porto de águas profundas Gwadar, recentemente expandido, que é fundamental para um investimento planejado de US $ 65 bilhões no corredor econômico da China's Belt and Road Initiative.

Não ficou claro se o enviado ou membros de sua delegação foram alvos do ataque, mas cidadãos chineses e seus interesses na região já foram atacados anteriormente por militantes do Taleban e insurgentes nacionalistas.

Notícias