PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Ministro da Saúde do Reino Unido reitera baixo risco da AstraZeneca

08/04/2021 14h44

Londres, 8 abr (EFE).- O ministro da Saúde do Reino Unido, Matt Hancock, encorajou nesta quinta-feira os cidadãos a continuarem a ser vacinados contra Covid-19 e reiterou que o risco de desenvolver trombose após imunização da vacina da AstraZeneca é muito baixo.

Os reguladores britânicos, após análise, decidiram ontem, não recomendar a AstraZeneca para pessoas com menos de 30 anos devido a uma possível ligação entre a vacina e a rara ocorrência de trombose.

Apesar dessa mudança no plano de imunização, as autoridades britânicas buscam hoje tranquilizar a população sobre a AstraZeneca e reiteraram que "os benefícios superam os riscos".

O ministro da Saúde, que fez declarações às principais emissoras britânicas, pediu que aceitassem a vacina quando esta fosse oferecida e comparou o risco de desenvolvimento de trombose com o que sofre ao fazer "um voo de longa distância".

Ele também encorajou que as pessoas com menos de 30 anos sejam vacinadas quando chegar sua vez - com uma preparação alternativa para AstraZeneca - para proteger seus parentes e evitar os efeitos colaterais a longo prazo que a Covid-19 produz em algumas pessoas, como fadiga extrema e fraqueza muscular.

O governo vai oferecer a esse grupo de jovens as outras duas vacinas aprovadas pelos órgãos reguladores, Pfizer e Moderna.

Hancock disse à "SkyNews" que as vacinas "quebram" a ligação entre os casos de Covid-19 e as mortes no Reino Unido e que a imunização está salvando "milhares de vidas".

"O número de pessoas que morrem de Covid-19 caiu pela metade nos últimos nove dias, e está 90% abaixo do pico (no início do ano)", acrescentou o ministro da Saúde.

Todas as vacinas usadas no Reino Unido são "seguras para todas as idades" e o risco de desenvolver um trombo cerebral é "extremamente raro", insistiu ele.

Hancock estimou 10 milhões de jovens entre 18 e 29 anos no Reino Unido que devem receber pelo menos a primeira dose de uma vacina alternativa - Pfizer ou Moderna - até o final de julho deste ano, segundo o plano de vacinação do serviço de saúde britânico.

De acordo com os últimos dados oficiais, mais de 31 milhões de pessoas receberam a primeira dose e mais de cinco milhões a segunda no Reino Unido. Ontem foram registradas 2.763 novas infecções e 45 outras mortes no país.

Notícias